Navegação Aérea

Aulas de Navegação Aérea do curso de Comissário de Voo. Conteúdo: Terra, Coordenadas Geográficas, Orientação (Rosa dos Ventos), Rumo/Proa/Rota, Magnetismo, Fuso Horário… (link para arquivo)

Mapa conceitual de coordenadas geográficas

geometria nome valor intervalo hemisfério referência
Semi-círculo MERIDIANO LONGITUDE 0 a 180º E ou W Greenwich
Círculo PARALELO LATITUDE 0 a 90º N ou S Equador

Pode explicar as noções de PROA/RUMO/ROTA?

Proa é a direção do eixo longitudinal de uma aeronave (aquele eixo que liga o nariz e a cauda do avião). Rumo é a direção do voo. Rota é a projeção, na superfície terrestre, da trajetória (caminho) prevista ou percorrida por uma aeronave. Por exemplo, durante a ocorrência de vento lateral em voo, o avião deveria ter seu rumo alterado, alterando assim sua rota e o seu destino. Para evitar isso, ele deve compensar esse vendo virando a proa do avião contra o vento para manter o rumo e a rota, para atingir seu destino. Tem um esquema desse exemplo no slide 24 das aulas de navegação no início dessa página.

Além disso, a proa é o ângulo entre um meridiano e o eixo longitudinal do avião, e o rumo é o ângulo entre o meridiano e o caminho que o avião segue.

Qual a diferença entre meridiano/meridiano verdadeiro; proa/proa verdadeira; rumo/rumo verdadeiro?

O meridiano verdadeiro é uma linha imaginária que liga o Polo Norte Verdadeiro e o Polo Sul Verdadeiro. A palavra “verdadeiro” (ou “geográfico”) refere-se a pontos reais designados pela geografia para localização. Já o meridiano magnético refere-se a uma linha imaginária que liga o Polo Norte Magnético e o Polo Sul Magnético, ou seja, aquele usado pela bússola. Como é gerado pelo campo magnético terrestre, esses polos não coincidem com os polos verdadeiros.

Considerando a proa como um ângulo (espaço entre duas retas, explicado na questão anterior), temos a proa verdadeira como o ângulo entre o eixo longitudinal do avião e o norte verdadeiro (ponto fixo no planeta), assim como a proa magnética como o ângulo entre o norte magnético (sentido que a bússola aponta). Da mesma forma, temos que o rumo verdadeiro é o ângulo entre o norte verdadeiro e o caminho que o avião faz, e equivalentemente existe o rumo magnético.

Questões resolvidas de conversão de unidades, co-latitude e anti-meridiano

A milha náutica (NM) foi historicamente definida como sendo o comprimento de 1 (um) minuto de arco medido, à superfície média do mar, ao longo de um qualquer grande círculo da Terra. Apesar o nosso planeta não ser uma esfera perfeita, sua correspondência com o sistema métrico é a seguinte: 1 milha náutica = 1 852 metros.

Outra definição de NM 1 é o grau, uma medida de distância no globo terrestre que pode ser dividida em 60 minutos de arco (60′) – apesar do nome, é uma medida de espaço, não de tempo. Desse modo, se cada grau mede 60 minutos, então 5 graus medem 5 x 60 = 300 minutos, por exemplo. Como cada minuto vale uma milha náutica, temos que 300′ = 300 NM.

Conversão de unidades, co-latitude e anti-meridiano

Após responder a questão, será exibida a resolução

Questões resolvidas de fuso horário

Os fusos horários são faixas de 15° de largura, cujos meridianos centrais podem ser representados dessa forma. A longitude 0° corresponde ao meridiano de Greenwich. Além dos graus de longitude, também existem outros nomes para os fusos horários, que podem ser letras e números. Os números se iniciam no fuso que contém o Meridiano de Greenwhich e vão até 12 para cada hemisfério leste (E) e oeste (W) (24 horas no total). As letras iniciam do fuso zero (ou Z/Zulu) indo para leste (A/alpha até M/Mike, pulando o J/Juliet) e voltando ao Z continua-se para oeste (do N/November até o Y/Yankee).

Para resolver os exercícios propostos, basta escrever a “régua” acima no trecho de fusos horários dados, marcar os horários apresentados pelo exercício e calcular a diferença. Devido ao movimento da Terra, toda vez que você “andar” para leste (direita, no caso), deve-se somar as horas, e diminuí-las ao andar para oeste (“na balada, MAIS Energético e MENOS Whisky”).

A hora UTC é a hora e referência mundial, correspondente ao fuso horário que passa em Londres. Para calcular esse horário, deve-se somar (se estiver a oeste) ou subtrair (se estiver a leste) as horas conforme o fuso horário em que você está. Por exemplo, se são 7:00 no Brasil (fuso 3 oeste), deve-se somar 3 horas, ou seja, são 10:00 UTC.

O vídeo a seguir mostra a resolução de quatro exercícios chave, que permitirão resolver os exercícios propostos a seguir com bastante facilidade:

Fuso horário

Ao responder a questão, será exibida a resolução

Resolução da questão 234 do questionário do Bloco 4:

234. Quando há uma mudança de data no meridiano de 180°, no Rio de Janeiro (22°48’S – 043°15’W), a HLE será?

  • a) 10:00
  • b) 15:00
  • c) 09:00 (certa)
  • d) 11:00

Uma mudança de data ocorre às 0h (meia-noite), assim, são 0h no meridiano 180° e o exercício pergunta o horário na longitude 043°15’W. Representando as localizações num gráfico com os meridianos centrais/fusos, temos:

Indo para leste, somam-se as horas e assim obtemos os horários indicados nos respectivos fusos. Como a longitude do Rio de Janeiro está mais próxima da longitude 45°, o horário nesse local será de 9h.

Veja também

Compartilhe :)

8 comments

    1. Já vi mapas colocando fusos a oeste de Greenwich como negativos (no sentido de subtrair horas com relação à hora UTC para ter a hora do fuso) e como positivos (no sentido de somar horas horas no fuso do lugar para obter a hora UTC), mas acho que o mais simples é esquecer esses sinais pré-inseridos e pensar somente no sentido de movimento: somar horas se for para leste e subtrair horas se for pra oeste.

      1. Oi Juliana,
        Na página de Meteorologia (https://www.monolitonimbus.com.br/meteorologia/) tem alguns exemplos de questões que envolvem cálculos, mas também pode ver os comentários com base nas dúvidas de outros estudantes nos comentários dessa página e da página de questões do bloco 4 (https://www.monolitonimbus.com.br/bloco-4/). Acabei fazendo essas resoluções porque geralmente eram as questões que os alunos tem mais dificuldade e também que demandam uma explicação mais detalhada. Futuramente, posso incluir os comentários de dúvidas junto da resposta das questões na página do bloco 4, mas por enquanto é o que tem nesse site. Desconheço esse esquema em outros sites.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.