(Con)Fuso horário

Os fusos horários são cada uma das 24 áreas em que se divide a Terra e que e apresentam o mesmo horário. Anteriormente, por volta do ano 1300, usavam-se o tempo solar aparente: o acerto do relógio se dava através da passagem meridiana do sol (no alto do céu), de forma que a hora do meio-dia se diferenciava de uma cidade para outra.

Em 1884, foi realizada a Conferência Internacional do Primeiro Meridiano, nos EUA, com a proposta de padronizar a utilização mundial da hora legal. Acabou sendo aceita a teoria do senador do Canadá, Sanford Fleming. A longitude 0° passaria pelo Observatório Real de Greenwich. Os outros fusos seriam contados positivamente para leste, e negativamente para oeste, até ao Meridiano de 180°, situado no Oceano Pacífico, onde seria a Linha Internacional de Data. Veja mais sobre longitude e meridiano no post sobre Coordenadas Geográficas, além de uma foto do Observatório de Greenwich e uma curiosidade sobre a Linha Internacional de Data.

A Linha de Data é uma linha imaginária na superfície terrestre que implica uma mudança de data obrigatória ao cruzá-la (ao cruzar a linha de data de leste para oeste soma-se um dia e subtrai-se um dia se cruzar ao contrário). Na expedição realizada por Fernão de Magalhães (1519-1522), a primeira a circum-navegar o planeta, os marinheiros sobreviventes, no retorno a Espanha, tinham a certeza de qual era o dia da semana, confirmado por vários registros de navegação. Entretanto, os que estavam em terra insistiam que o dia era diferente, sendo posteriormente explicado pelo sentido de rotação da Terra. O fenômeno da mudança de data foi explorado por Júlio Verne em “A Volta ao Mundo em Oitenta Dias”, em que Phileas Fogg retorna a Londres após uma viagem ao redor do mundo: viajando no sentido contrário de Fernão de Magalhães, o viajante pensa estar num dia posterior à data verdadeira.

Standard_time_zones_of_the_world
Mapa-múndi com as faixas de fusos horários (clique na imagem para ver maior e melhor). Note que o meridiano central é um múltiplo de 15° e está no centro de uma faixa de 15° de largura.

Os fusos horários geralmente estão centrados nos meridianos das longitudes que são múltiplos de 15°; no entanto, as formas dos fusos horários podem ser bastante irregulares devido às fronteiras nacionais dos vários países ou devido a questões políticas. Todos os fusos horários são definidos em relação ao Tempo Universal Coordenado (UTC), o fuso horário que contém Londres.

Ao contrário do GMT (Greenwich Mean Time), o UTC não se define com referência no sol, sendo uma medida derivada do Tempo Atômico Internacional (TAI). Devido ao fato do tempo de rotação da Terra oscilar em relação ao tempo atômico, o UTC sincroniza-se com o dia e a noite de UT1 (escala de tempo do observador na Terra), ao que se soma ou subtrai segundos de salto (leap seconds) quanto necessário – mais informações no post sobre calendários. No uso informal, quando frações de segundo não são importantes, o GMT pode ser considerado equivalente ao UTC. Na comunicação por rádio (comum na aviação), o horário UTC é conhecido como horário zulu – palavra no alfabeto fonético da OTAN para Z (de zero, que corresponde ao fuso horário de referência).

Até 1913, o Brasil possuía apenas um único fuso horário, então houve a sanção da Lei 2.784, pelo presidente Hermes da Fonseca. A lei dividiu o território nacional em quatro fusos seguindo o Meridiano de Greenwich como referência. Em 2008, uma lei federal reduziu o número de fusos horários no Brasil para três: UTC-2 (Ilhas do Atlântico), UTC-3 (Hora Oficial de Brasília) e UTC-4 (Oeste Brasileiro). O oeste do Amazonas e Acre passaram a pertencer ao mesmo fuso do restante da região norte e o estado do Pará deixou de ser dividido em dois fusos.

Porém, um em 2010, três anos após a mudança, um referendo foi realizado no Acre para consultar a população sobre a alteração. O resultado das urnas mostrou que 56,8% dos eleitores optaram pelo retorno do antigo horário. Aproximadamente três anos depois do referendo, em outubro de 2013, o Senado Federal aprovou o projeto de lei restabelecendo o horário no Acre e em parte do Amazonas a partir da madrugada entre 9 e 10 de novembro de 2013. Veja como ficou:

Fusos horários do Brasil
Fusos horários do Brasil

Entre cada fuso horário existe 1 (uma) hora de diferença, e como a Terra gira de oeste para leste, deve-se somar horas se for para leste e subtraí-las se for para oeste. Por exemplo, se for 10h em São Paulo, serão 9h em Manaus e 11h em Fernando de Noronha. Nesse caso, a hora universal será 13h, já que São Paulo tem 3 horas de diferença com relação a Greenwich e está a oeste de Greenwich (indo para oeste, subtraem-se horas). Se tiver horário de verão, basta somar 1h ao resultado. Mais detalhes sobre o cálculo de fuso horário podem ser encontrados no material de Navegação Aérea do curso de comissários.

Com relação ao horário de verão, a ideia de adiantar os relógios para aproveitar melhor as horas de sol foi lançada em 1784 pelo político e inventor americano Benjamin Franklin. O horário de verão contribui para reduzir o consumo de energia no horário de maior utilização (início da noite), mas a medida só funciona nas regiões distantes da linha do equador, porque nesta estação os dias se tornam mais longos e as noites mais curtas. O horário de verão entra em vigor a partir da zero hora do terceiro domingo do mês de outubro de cada ano, até a zero hora do terceiro domingo do mês de fevereiro do ano subsequente, exceto quando o término da medida coincide com o Carnaval, caso em que é postergado para o domingo seguinte. Após a alteração promovida pelo Decreto nº 7.826, de 15 de Outubro de 2012, o horário de verão abrange os estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-oeste mais Tocantins e Distrito Federal.

Fonte: Vida de Programador

Existem propostas de universalizar vários conceitos do dia a dia, como o câmbio único para todas as moedas e até um idioma criada para ser adotada universalmente, o esperanto. Com relação aos fusos horários, uma empresa lançou uma proposta em 1998 de horário universal – veja mais sobre isso no post sobre Formas alternativas de medir o tempo.