Aniversário de 5 anos do Monolito Nimbus

Em 29 de junho de 2013 (sábado), foram publicados os primeiros posts do site Monolito Nimbus, completando hoje 5 anos de existência! Não sou muito de escrever por aqui na primeira pessoa, mas é que a construção desse site vem de uma longa jornada profissional minha, que vou compartilhar agora com você, leitor.

Lugares onde o monolito já pousou do Brasil – fundos de banners antigos. Fotos: ViniRoger

Cosmos Criação de conteúdo e páginas de internet: uma viagem pessoal

Na minha adolescência do final dos anos 1990, eu gostava de escrever textos e juntar imagens sobre assuntos que gostava. Comecei com o Jornal da Ciência (não lembro se foi esse o nome que eu dei), em cima de um modelo do Microsoft Word de informativo com notícias sobre ciências que eu via nos jornais, revistas (como a Superinteressante e coleções em fascículos) e televisão (como no programa “O Mundo de Beakman“). Também montei um guia turístico com as principais atrações do Paraná e região Sul em formato daqueles arquivos de ajuda (.hlp) e outro guia turístico (em documento do Word mesmo) sobre a Baixada Santista.

Em 2001, montei uma apresentação em slides (usando Microsoft Power Point e algumas coisas de Visual Basic) sobre ilusões de óptica. Esse trabalho foi selecionado, junto com outros trabalhos de alunos, para representar a escola que eu estudava no evento Computer Jamboree, organizado pela Escola do Futuro da Universidade de São Paulo (USP) e montada no parque do Gugu (shopping SP Market). A feira era um espaço interativo, onde os estudantes explicavam aos visitantes os projetos e traziam para os estandes projetos das novas tecnologias de informação de modo a impactar na educação. Como os professores do grupo de física estavam coincidentemente apresentando trabalho sobre imagens em 3D, pude apresentar o meu trabalho durante a feira no mesmo estande que eles, o que foi muito bom.

Com o objetivo de melhorar a apresentação dos conteúdos que eu desenvolvia, meu pai sugeriu que eu começasse a montar “páginas de internet” (usando HTML e Microsoft Front Page na edição) para facilitar a inserção de texto e a navegabilidade. Assim, montei três “sites”: um sobre numismática, outro sobre filatelia e outro sobre datas comemorativas. Inicialmente o conteúdo era todo offline, mas graças ao HPG (Home Page Grátis) eu pude disponibilizar os conteúdos de numismática e filatelia em um site disponível na internet: o endereço era http://www.numisfil.hpg.com.br

Devido aos estudos para o vestibular e depois o início da minha vida acadêmica na USP, esse “passatempo” ficou congelado por alguns anos. Só com o estágio no Parque Cientec é que tive a oportunidade de elaborar projetos educacionais e até um pequeno livro de divulgação científica de Meteorologia – que virou o atual Livro Digital: Noções de Meteorologia.

Ao longo da minha vida acadêmica e profissonal, fui acumulando links, textos, imagens e elaborando textos sobre diversos assuntos, mas que ficavam dispersos em várias mídias e sem disponibilização pública (basicamente, ficavam “guardados na gaveta” e bem desorganizados). A produção de conteúdo aumentou com os slides e material de aula desenvolvidos para as aulas na escola de aviação em que comecei a dar aulas, assim como no laboratório que então comecei a trabalhar, que exigiu muito estudo de Linux e programação. Dentre as tarefas no laboratório, estavam a criação e manutenção de páginas de internet.

O Hobbit Monolito Nimbus: uma jornada inesperada

Com o objetivo de disponibilizar os slides de aula de uma forma mais fácil e estudar servidores web, criei o site “ViniRoger”. Foi montado usando WordPress (plataforma gratuita e de código aberto para facilitar a montagem de sites), pois eu já tinha alguma experiência ao trabalhar com um site montado no WordPress.com. O blog usava hospedagem gratuita e domínio gratuito (era viniroger.p.ht e depois virou viniroger.tk) – também aproveitei a hospedagem para montar um site (do zero) para o consultório da minha mãe.

Banner dos primórdios do site, antes de chamar Monolito Nimbus

Posteriormente, com o aumento das visitações, tive que migrar para uma hospedagem paga e usar um domínio pago. Depois de muito pensar, cheguei na conclusão de mudar o nome do site para Monolito Nimbus e registrar esse domínio. O nome é uma alusão ao monolito do filme “2001: uma odisseia no espaço” (uma ferramenta que atende a diversos propósitos, como acelerar a evolução do homem) e ao nome “nimbus” que algumas nuvens possuem – uma alusão à Meteorologia e à Aviação. A parte do site com o material de aula ficou chamada de “Comissário Nerd”, que por um bom tempo teve um link próprio: www.comissarionerd.vai.la

Fiz três posts no primeiro dia, para testes: um falando sobre as minhas primeiras impressões ao usar o WordPress, um sobre como economizar a bateria do celular e outro com links para sites interessantes de aviação.

Posteriormente, fui atualizando esses posts com mais conteúdo. Também montei páginas para disponibilizar os slides das aulas e fui criando novas páginas com assuntos que pesquisava – por interesse pessoal e/ou profissional.

Alguns posts geraram fatos inusitados. Por exemplo, o post sobre Aviões na Sucata vem rendendo muitas mensagens sobre pessoas interessadas em adquirir sucatas de aviões – mesmo eu não comercializando esse tipo de bem. Já dentre os posts com mais comentários, estão os de alunos dos cursos de comissário de voo que usam o material disponível aqui no site para perseguirem seus sonhos de voar e trabalhar na aviação.

Em 26 de agosto de 2014, houve um pico anômalo nas visitas (mais de 1600 visitas, por volta de 1000 nos dias anterior e posterior e bem menos nos outros dias) para a página Aspectos de saúde dos aeronautas, cujo link foi compartilhado por alguém que tinha muitos seguidores. Provavelmente daí que veio o contato de uma candidata à Deputada Federal que rendeu uma boa entrevista para o blog.

E falando em entrevistas, agradeço aqui aos entrevistados e colaboradores que escreveram (e ainda escrevem eventualmente) conteúdo para o site! A pluralidade e conhecimento de cada um foi fundamental para acrescentar cada vez mais qualidade ao blog. Também não podemos esquecer das pessoas que comentaram nos posts e mandaram e-mails, com correções e acrescentando conteúdo – inclusive através de dúvidas. Mais obrigado ainda aos que ajudaram na divulgação do site!

Foram muitos passeios, receitas, estudos e curiosidades compartilhados no blog, para documentar e divulgar um pouco do que existe de importante e de interessante nesse mundo. E o site em si também precisou se reinventar.

Antigo banner do Comissário Nerd

No final de 2015, um novo logo para o Comissário Nerd: em vez da comissária da PanAm fazendo cumprimento de “vida longa e próspera”, entrou um HAL 9000 com um quepe de comissária. Na segunda metade de 2017, o blog teve uma mudança forte de estilo visual ao abandonar uma modificação do tema padrão (twenty twelve) para um outro tema-filho. As categorias e tags foram reorganizadas com base no caminho que o site foi levando ao longo dos anos.

Algumas estatísticas do site

Desde que começaram as estatísticas geradas pelo Google Analytics, foram mais de 1 milhão de visualizações de página, sendo mais de 940 mil como visualizações únicas. Atualmente, o site possui entre 1500 e 2000 visitas diárias (menor movimento aos finais de semana e feriados). As duas páginas mais visitas são “Teodolito: o que é e como usar” e “Comissário Nerd” disparadas. Na sequência, estão “Cortes de carne bovina“, Estação e instrumentos Meteorológicos“, a própria página inicial do blog, “Água na atmosfera“, “Diagrama de Nolan“, “Efeitos do vento sobre aeronave” e “Energia no corpo humano“.

Mais de 80% do tráfego veio de buscas no Google, sendo que um pouco mais de 10% foi de usuários que digitaram diretamente a URL no navegador. Por volta de 3% do tráfego veio de referências de outros site e menos de 2% veio de redes sociais. Das referências, a maior parte dos visitantes vem do site Diário de Aviação (blog de uma ex-aluna, Tamires, muito obrigado!). Depois, vem o tráfego do Disq.us (serviço de comentários do blog), Meteorópole (obrigado Samantha!), Humor com Ciência (valeu William!) e alguns sites que fizeram menções pontuais a algum assunto em específico. Seguem alguns exemplos:

  • br-linux.org – dois links para artigos que escrevi em 2014 sobre Raspberry Pi
  • battlecentral.xpg.com.br – discussão no fórum sobre Diagrama de Nolan
  • vivaolinux.com.br – uma resposta sobre gráficos em python e outra sobre iniciar um script junto com o Debian
  • didatico.org – texto explicando sobre um trabalho a ser feito pelos alunos de uma escola pública de Diadema e deixando um dos textos do nosso colaborador como referência
  • Canal Piloto – no posto “links da semana”
  • Portal Deviante – link para o post de “Manipulações estatísticas” (citado na leitura de e-mails), nos comentários e em textos escritos no próprio site
  • Letra e Filosofia – para o post sobre Nietzsche, de autoria de um dos colaboradores do blog
  • Github – dos códigos que publiquei na minha conta
  • Voo virtual – link para o post sobre o aeroporto de Congonhas, em uma discussão no fórum sobre sua história
  • Wikipedia – artigo sobre o avião Neiva P-56 Paulistinha
  • Dihitt – diversos artigos (quando eu ainda tinha conta lá)
  • Dicas de Roma – comentário no fórum link post sobre como dirigir na Itália
  • transphoto.ru – apesar de estar todo em russo, é um fórum sobre transportes que linkaram o post sobre a Vila de Itatinga, onde falo sobre o bonde que ainda funciona por lá
  • Tempo Agora – artigo sobre eclipse lunar que escrevi
  • Marcha pela Ciência – link para o blog na lista de apoiadores

Mais de 90% dos visitantes são do Brasil, já que o blog é feito em língua portuguesa, mas também aparecem muitos visitantes de Portugal, Estados Unidos, Moçambique, Rússia (provavelmente robôs), Angola, Itália e outros (nessa ordem).