PEFI e Parque Cientec

O Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI) localiza-se no bairro da Água Funda, na capital paulista. Sua história começa com a declaração de utilidade pública dos terrenos da Bacia do Ribeirão Ipiranga em 12 de setembro de 1893 para abastecimento de água em São Paulo. Por contar várias nascentes do Ipiranga, às margens do qual foi declarada a Independência do Brasil, também já possui uma grande importância histórica.

Com a reformulação dos sistemas de abastecimento de água para o município na década de 1930, a região perdeu a função de abastecimento. A Siderúrgica Aliperti, fundada em 1924 no Brás, iniciou a produção de aço em suas dependências vizinha ao PEFI. Ela trouxe muitos moradores para a região, além de muita poluição. Em 1969, sofreu uma ação de desapropriação para ampliação do Jardim Botânico. A empresa assinou um contrato de arrendamento do seu parque industrial para a Gerdau S/A em 1998 e posteriormente a produção foi realocada para Sorocaba/SP.

Jardim Botânico - PEFI. Foto: ViniRoger
Jardim Botânico – PEFI. Foto: ViniRoger

Órgãos públicos começaram a ocupar o parque ainda na década de 1920, com a instalação do Horto Botânico – hoje denominado Jardim Botânico. Em 1942, foi criado o Departamento de Produção Animal. Com a reorganização do Departamento de Botânica em meados de 1946, foi criada a Escola de Horticultura da Diretoria de Ensino Agrícola, cedida ao Serviço Social do Estado. Em 1971, parte dessa área foi transferida para o Centro Estadual de Agricultura. Em 2014, a então Secretaria de Agricultura e Abastecimento foi transferida para um prédio histórico do centro de São Paulo.

Na década de 1950, instalou-se no parque o Hospital Psiquiátrico e o Departamento de Assistência aos Psicopatas. O hospital passou a ser chamado Centro de Atenção Integrada em Saúde Mental (Caism) Dr. David Capistrano da Costa Filho, sendo até hoje uma unidade especializada em psiquiatria que presta assistência médico-hospitalar em saúde mental, em regime de internação integral, em hospital-dia e em ambulatório, assim como oferece recursos de lares abrigados.

Em 1958, foi criada a Fundação Parque Zoológico de São Paulo, utilizando uma área transferida do Instituto de Botânica. Em 1963, o IAG transferiu mais uma área para a Fundação – que concederia, em 1966, mais uma porção de seu terreno, desta vez para o Instituto de Botânica, que recebeu esta denominação em 1938.

Zoológico de São Paulo - PEFI. Foto: ViniRoger
Zoológico de São Paulo – PEFI. Foto: ViniRoger

Em 1972, foi criado o Parque Simba Safári, em área cedida pela Fundação Parque Zoológico para a iniciativa privada. Em 2001, a concessão encerrou-se e a Fundação Parque Zoológico assumiu as atividades, alterando o sistema de gestão e a denominação para Zoo Safari, que continua sendo uma das atrações do PEFI.

A Rodovia dos Imigrantes começou a ser construída em 1974 e muitas áreas foram incorporadas pelo DERSA. Algumas áreas remanescentes, situadas depois das faixas de rodagem do que é hoje a Avenida Abraão de Morais e completamente dissociadas do PEFI, foram posteriormente invadidas.

Em 1974, a Fundação do Bem-estar do Menor (FEBEM/SP) começou a utilizar a titulo precário, imóvel situado a Rua Ambores nº 145, então Instituto de Menores Dona Paulina de Souza Queiroz. Em 2001, essa área foi transferida para a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social, onde foi criado o Centro de Esportes, Cultura e Lazer e o Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro – veja algumas imagens de lá no post Tocha paralímpica em São Paulo.

O Recinto de Exposições da Água Funda foi inaugurado em 1978, sendo que seu estacionamento era utilizado para feiras livres e casualmente recebia eventos públicos abertos. Em 1992, foi cedido por 20 anos para a instalação de um Agrocentro, que posteriormente se tornou o Centro de Exposições Imigrantes. Em nova concessão em 2013, foi amplamente reformado e reinaugurado em 2016 como São Paulo Expo.

Em 2004, foi criado o Centro de Logística e Exportação (CELEX) com objetivo de apoiar as empresas com informações e fomento às atividades exportadoras do Estado de São Paulo. O PEFI ainda abriga o 97º Distrito de Polícia Militar e o 2º Batalhão da Polícia Ambiental do Estado de São Paulo.

Em 2013, houve desafetação da área onde se encontra instalado o Recinto de Exposições “Sálvio Pacheco de Almeida Prado”, a Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento, a Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo – CODASP, e dependências do Instituto Geológico, órgão que integra a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, para fins de instalação do Centro de Exposições e atividades complementares.

Além de conceder essa área, também determinou integrar uma área contígua com 65.330 m² ao norte do PEFI, coberta por vegetação nativa, remanescente do espólio de João Bumaruff, quando concluído o respectivo processo de desapropriação. Essa área havia sido excluída do PEFI em favor de herdeiros de Salomão Bumaruff em 1975.

O vídeo documentário “Raízes do PEFI” a seguir apresenta diferentes aspectos históricos e socioambientais relacionados ao Parque e à área onde ele está localizado:

Obs: foto do Cientec do mesmo autor deste post e créditos nos respectivos links.

Parque Cientec

Em 1886, foi criada a Comissão Geográfica e Geológica do Estado de São Paulo. José Nunes Belfort Mattos, um entusiasta de astronomia e ligado à Comissão, instalou em sua residência na Avenida Paulista um modesto observatório em 1901, que passou a ser conhecido como Observatório da Avenida.

O então Observatório Astronômico e Meteorológico de São Paulo localizava-se ao lado de onde hoje é o MASP. Com o aumento da luminosidade urbana e passagem de bondes, as observações de astros e sismos começaram a ficar prejudicadas. Em 1928, decidiu-se escolher um novo local, mais isolado do centro na época, e foi escolhido o centro do atual PEFI.

Cercado da estação Meteorológica do Cientec em dezembro de 2005 - capa dos boletins anuais da estação em 2005, 2006 e 2007. Foto: ViniRoger
Cercado da estação Meteorológica do Cientec em dezembro de 2005 – capa dos boletins anuais da estação em 2005, 2006 e 2007. Foto: ViniRoger

A Estação Meteorológica do Instituto Astronômico e Geográfico começou a funcionar no novo local em 1932 – veja mais no post Meteorologia no Parque Cientec. Entre esse ano e 1941, foram construídas a maior parte das edificações, algumas tombadas pelo Condephaat desde 1994. Eles foram dispostos segundo critérios científicos, a exemplo da orientação seguindo os pontos cardeais, sem descaracterizar o perfil do terreno. Existem prédios administrativos, de salas de aula, auditório e alguns para suportar cúpulas com telescópios.

Vista dos principais prédios do Cientec a partir do radar meteorológicos. Foto: ViniRoger
Vista dos principais prédios do Cientec a partir do radar meteorológicos. Foto: ViniRoger

O estilo dos prédios em “art-deco” com colunas de capitel jônico para assinalar os pórticos é uma das grandes atrações, assim como as representações da musa grega da Astronomia e da Geometria, Urânia: em estátua na fonte do centro do conjunto arquitetônico e em vitral na entrada do edifício principal.

Fonte com Urânia no Cientec. Foto: ViniRoger
Fonte com Urânia no Cientec. Foto: ViniRoger

Em 1935, o Instituto Astronômico e Geográfico foi extinto, dando lugar ao Departamento Geográfico e Geológico, e ao Instituto Astronômico e Geofísico (IAG). Em 1946, o IAG incorporado à Universidade de São Paulo (USP), sendo transformado em unidade da USP em 1972 e teve seu nome alterado para Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas em 2001.

Devido à distância do IAG ao campus da Cidade Universitária na zona oeste de São Paulo, ao longo da existência do IAG, foi ocorrendo uma migração para barracões próximos à reitoria e a um prédio próprio, na rua do Matão posteriormente. Em 2002, o espaço ocupado pelo IAG no PEFI tornou-se o Parque de Ciência e Tecnologia (Cientec).

Prédio do planetário no Cientec. Foto: ViniRoger
Prédio do planetário no Cientec. Foto: ViniRoger

O Parque Cientec da USP possui 120 hectares de Mata Atlântica nativa e atividades abertas ao público, como trilha ecológica, exposições e observação do céu no planetário ou em uma luneta histórica. A instituição ainda promove pesquisas e experimentos nas áreas de física, matemática, meteorologia, geofísica e astronomia – veja a apresentação em texto da Alameda do Sistema Solar no link. Veja mais detalhes e atrações no site do Cientec.

O artigo Preservar e proteger em um museu de ciências apresenta com mais detalhes as atividades de preservação e de reconversão de edifícios históricos. Seguem algumas fotos de atividades desenvolvidas no Cientec e que constam desse trabalho.

Exibição da Gruta Digital 3D em itinerância em São Sebastião/SP, bolsistas das Frentes de Trabalho em curso de noções básicas de informática e atividade "Brincando com a Física" em computadores. Fonte: Mantovani et al. (2013)
Exibição da Gruta Digital 3D em itinerância em São Sebastião/SP, bolsistas das Frentes de Trabalho em curso de noções básicas de informática e atividade “Brincando com a Física” em computadores. Fonte: Mantovani et al. (2013)

Fontes

  • ECOPEFI (Programa Multisetorial de Ecodesenvolvimento do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga) – Histórico do PEFI
  • Wikipedia – São Paulo Expo, Zoo Safári
  • Comitê Paralímpico Brasileiro – CTPB
  • Secretaria de Estado da Saúde – CAISM Água Funda
  • Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo – Lei nº 14.944, de 09 de janeiro de 2013
  • Parque Cientec – História e Histórico
  • Mantovani, Marta Silvia Maria, Glezer, Raquel e Massabki, Paulo Henrique BernardelliPreservar e proteger em um museu de ciências. História (São Paulo) [online]. 2013, v. 32, n. 2 [Acessado 8 Setembro 2021] , pp. 64-86. Disponível em: . Epub 09 Jan 2014. ISSN 1980-4369.
Compartilhe :)

4 comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.