Transbrasil, por uma comissária

A comissária Arlete de Lucca já voou pelas companhias VASP e Transbrasil e atualmente é coordenadora da Escola de Aviação CEAB. Em algumas conversas, ela contou histórias muito interessantes que fazem parte da aviação do Brasil. Veja abaixo como uma companhia aérea surgiu a partir de uma fábrica de salsichas e uma viagem para a China em um avião todo transformado em 1ª classe (com direito a piano)!

Em 1944, o empresário Atílio Fontana fundou, na cidade de Concórdia (SC), a S. A. Indústria e Comércio Concórdia (SADIA). Um dos principais problemas enfrentados pela empresa era o transporte dos produtos frigoríficos até os centros consumidores do sudeste, em uma época que ainda não existiam caminhões frigoríficos e as estradas eram piores que as de hoje. Assim em 1955, foi fundada a Sadia Transportes Aéreos, que depois de um tempo também começou a levar passageiros.

PP-ASJ
PP-ASJ – Fonte Jetsite.com.br, do arquivo de Gianfranco Betting

Em 1956 foi arrendado um avião DC-3 (foto) para fazer a rota Florianópolis – Videira – Joaçaba – São Paulo. Foi o início de uma série de aquisições de aeronaves e até mesmo uma outra companhia aérea (TAS, Transportes Aéreos de Salvador). Quem sempre esteve a frente da área de aviação foi o filho de Atílio, o comandante Omar Fontana. Em 1972/73, abriu capital da empresa aos seus funcionário e surgiu a Transbrasil S. A. Linhas Aéreas.

escada transbrasil
Cms. Arlete em frente a escada para embarque/desembarque de passageiros da Transbrasil. Os uniformes tinham as cores dos aviões da companhia e eram escolhidos pelos próprios funcionários.

Os aviões da Transbrasil eram bem coloridos, modelo Boeing 727, o que pode ser visto em uma das propagandas da época, que já falavam em “contribuir para que o mundo seja mais bonito e humano”, relacionando as cores das aeronaves a diferentes formas de energia (petróleo, minerais, nuclear e solar). Depois vieram o One eleven (BAC 1-11, avião a jato de curto alcance criado para substituir os turbo-hélices Vickers Viscount), Boeings 737-100, 737-200 e 767. Arlete realizou treinamentos de todos os modelos, que envolviam, por exemplo, conhecer a localização dos equipamentos de emergência.

Pequim - China
Arelte e colegas em frente à cidade proibida (Pequim, China) (da esquerda para direita: o Gerente do Aeroporto de Miami, Vanessa, Arlete, Rafaeli e Comte. Marcos )

Nos anos 80 começaram os voos internacionais, consolidados nos anos 90. Para Arlete, uma viagem diferente de todas as outras foi um voo fretado por uma delegação de empresários brasileiros para a China. Um avião 767 foi todo reconfigurado para se tornar um avião inteiramente formado de 1ª classe para 67 passageiros, inclusive com a instalação de um piano. O voo partiu de São Paulo com destino a Amsterdã (Holanda) com tripulação técnica de 8 pilotos/co-pilotos e 6 comissários, devido aos revezamentos. Na Holanda, dormiram 6 horas e esperaram mais 12 horas, pois não podiam voar no espaço aéreo russo. Na China, os empresários encontraram-se com o então presidente Fernando Henrique Cardoso para rodadas de negócios, gerando uma estada de 15 dias em Pequim (e uma escapadinha em Xangai). Nesse tempo, ficaram hospedados no Hotel Hilton, juntamente com o presidente da companhia, Omar Fontana, que fora no mesmo voo.

Tripulação de voo da Transbrasil
Tripulação de voo da Transbrasil B-767: (da esquerda para direita) Elma, Brigite, comandante Henrique Stephanini (falecido no acidente com o voo TAM 3054 em 2007) e Arlete

Segundo Arlete, Omar era um apaixonado pela aviação e uma pessoa muito humilde. Mesmo sendo piloto, nunca sentava no lugar do comandante, que sempre é a autoridade máxima do voo, e nessa estada na China, fechou um restaurante para comemorar o aniversário de um dos comandantes.

Em 1991, uma grande crise ocorria na aviação brasileira. Para se comunicar com todos os funcionários da empresa, Omar gravou um fita de vídeo com sua mensagem de garra para os trabalhadores e uma análise da situação econômica apresentada por Joelmir Beting. O vídeo, um raro e importante documento histórico sobre aviação, está disponível no canal do youtube do site (clique aqui para vê-lo). Omar Fontana faleceu em 2000, e já em 2001 a Transbrasil teve que cancelar todos os voos por falta de crédito para combustível.

Arlete e colegas em turbina de avião da Transbrasil
Arlete e colegas em turbina de avião da Transbrasil B-737

Esse post contou um pouco sobre a Transbrasil e a vida da comissária Arlete. Em breve teremos novas postagens contando mais coisas sobre aviação.

Saiba mais: Wikipedia | Aviões e músicas

Atualização: Em outubro de 2013, foram leiloados três Boeings modelo 767-200 deixados pela Transbrasil no Aeroporto de Brasília como sucata (conforme a CNJ): PT-TAA (o mais danificado), PT-TAB e PT-TAC (o que estava em melhor estado de conservaço, foi desmontado para virar restaurante em Brasília). Graças à jornalista Solange Galante, os aviões foram registrados em fotoso antes do desmonte e podem ser vistas em seu blog Caixa Preta. Inclusive, durante a desmontagem do PT-TAC, observou-se que haviam componentes radioativos no interior dos tanques de combustível, devido ao densímetro. Os outros B-767 da companhia foram repassados a outras empresas antes da falência (veja mais no artigo do Aviões e Músicas).