O que é o projeto HAARP

A sigla do projeto de pesquisa norte-americano HAARP significa High Frequency Active Auroral Research Program, “Programa de Investigação de Aurora Ativa de Alta Frequência” em português. Iniciado em 1993, é um esforço científico destinado a estudar as propriedades e o comportamento da ionosfera (camada superior da atmosfera terrestre), particularmente para melhor compreensão do funcionamento das transmissões de ondas de rádio nessa altitude e influências nos sistemas de localização (como o GPS). Entenda melhor como atua esse projeto e se ele consegue causar chuva, como muitos alegam.

Antenas do projeto HAARP no Alasca. Fonte: HAARP project
Antenas do projeto HAARP no Alasca. Fonte: HAARP project

Sobre o projeto

O HAARP começou em 1990 como uma iniciativa do Congresso para expandir o conhecimento da atmosfera superior da Terra e seus efeitos na propagação de ondas de rádio. Uma ênfase particular foi colocada em ser capaz de entender e usá-lo para melhorar os sistemas de comunicação e vigilância para fins civis e de defesa.

Entre 1990 e 2014, o HAARP foi um programa gerenciado conjuntamente pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) e pela Marinha dos Estados Unidos. Seu objetivo era pesquisar as propriedades físicas e elétricas da ionosfera da Terra, que podem afetar nossos sistemas militares e civis de comunicação e navegação. A operação da instalação de pesquisa foi transferida para a University of Alaska Fairbanks em 11 de agosto de 2015, permitindo que o HAARP continue com a exploração da fenomenologia ionosférica por meio de um acordo cooperativo de pesquisa e desenvolvimento.

O terreno em que o HAARP foi construído foi originalmente adquirido pela USAF para construir um radar de retroespalhamento além do horizonte. O fim da Guerra Fria em 1991 e a mudança nas prioridades de financiamento levaram ao cancelamento do radar antes do início da construção. A USAF selecionou Gakona, Alasca, como local para o HAARP porque atendeu aos critérios de seleção do local de (1) estar dentro da zona auroral, (2) perto de uma rodovia principal para acesso durante todo o ano, (3) longe de áreas densamente povoadas, ruído elétrico e luzes, (4) em terreno relativamente plano, (5) de construção realista e razoável e custos operacionais, e (6) impactos ambientais mínimos. A localização das antenas do projeto HAARP é 62°23’30.0″N 145°09’00.0″W e pode ser vista no Google Maps, conforme segue:

Atualmente, não existem militares nas instalações e o HARRP não é um projeto classificado como sigiloso. Pelo contrário, um Estudo de Impacto Ambiental (EIA) foi conduzido durante 1992-1993 de acordo com a Lei de Política Ambiental Nacional e os documentos do processo de impacto ambiental sempre foram de domínio público.

Ionosfera

A ionosfera se estende aproximadamente de 60 a 1000 km acima da superfície da Terra, bem na borda do vácuo do espaço. Ela recebe esse nome por conter muitas partículas ionizadas positivamente (íons) e elétrons livres. O maior agente de ionização da ionosfera é o Sol, cuja radiação nas bandas de raio-x e ultravioleta insere grande quantidade de elétrons livres em seu meio.

Camadas da atmosfera com a ionosfera representada. Fonte: Wikipedia
Camadas da atmosfera com a ionosfera representada. Fonte: Wikipedia

Devido à sua composição, a ionosfera reflete ondas de rádio até aproximadamente 30 MHz. Assim, a reflexão ionosférica é explorada por sistemas de radiodifusão com as antenas de transmissão em ângulo baixo. Com isso, o sinal transmitido pode atingir centenas ou mesmo milhares de quilômetros de distância.

Seu estudo é necessário para entender os melhores horários para essas transmissões, por exemplo. A densidade dos íons livres é variável e apresenta alterações de acordo com vários padrões temporais, como hora do dia, estação do ano e ciclo de máxima atividade solar que acontece a cada 11 anos.

Como funciona o HAARP

O HAARP é um transmissor de alta potência e alta frequência (HF – High Frequency) e o equipamento principal do Ionospheric Research Instrument (IRI) – instrumento ativo, pois emite ondas eletromagnéticas. Os instrumentos científicos passivos instalados no Observatório HAARP também podem ser usados para uma variedade de esforços de pesquisa contínua como caracterização ionosférica usando balizas de satélite, observação telescópica da fina estrutura da aurora e documentação de variações de longo prazo na camada de ozônio.

O equipamento em si é uma matriz de fases de 180 antenas dipolo cruzadas HF espalhadas por 33 acres (0,14 km²) e capaz de irradiar 3,6 megawatts na atmosfera superior e na ionosfera. As frequências de transmissão são selecionáveis na faixa de 2,7 a 10 MHz e, uma vez que as antenas formam um sofisticado conjunto de fases, o feixe transmitido pode assumir várias formas, pode ser digitalizado em uma ampla faixa angular e múltiplos feixes podem ser formados. A instalação usa 30 abrigos transmissores, cada um com seis pares de transmissores de 10 quilowatts, para atingir a potência de transmissão de 3,6 MW.

Os transmissores de rádio HF são usados para aquecer pequenas regiões da ionosfera e observar os efeitos. Para pesquisas espaciais tradicionais usando observações terrestres ou experimentos em foguetes de sondagem, pode levar um tempo extremamente longo (dias, semanas e até anos) para obter as condições aéreas naturais desejadas.

Satélites podem acumular bancos de dados muito maiores, mas é difícil coordenar o satélite com os fenômenos desejados. Com uma instalação como o HAARP, é possível realizar um experimento à vontade para criar estruturas e irregularidades de plasma, usar a ionosfera como uma antena para excitar ondas de baixa frequência, criar brilhos luminosos fracos semelhantes a auroras e uma variedade de outros experimentos.

Efeitos ambientais

Uma vez que a ionosfera é inerentemente um meio turbulento que está sendo agitado e renovado pelo sol, os efeitos induzidos artificialmente são rapidamente obliterados. Dependendo da altura dentro da ionosfera onde o efeito é originalmente produzido, esses efeitos não são mais detectáveis após tempos que variam de menos de um segundo a 10 minutos. Uma boa analogia para esse processo é deixar cair uma pedra em um riacho em movimento rápido. As ondulações causadas pela pedra são rapidamente perdidas na água que se move rapidamente e são completamente indetectáveis um pouco mais a jusante.

O transmissor HF de alta potência é um sistema fixo e as intensidades de campo associadas ao seu sistema de antena diminuem de maneira metódica conhecida com a distância da antena. A taxa de diminuição é inversamente proporcional à distância, e a força cai rapidamente para níveis típicos daqueles encontrados nas proximidades de estações de transmissão AM/FM/TV. Não há locais dentro ou fora do local onde o campo eletromagnético exceda os padrões de segurança para exposição conforme definido pelo IEEE/ANSI C95.1-1992 e Relatório NCRP nº 86. Os únicos pontos no local que se aproximam do padrão de segurança eletromagnética estão próximos ou diretamente abaixo e acima da própria antena. Uma cerca ao redor do bloco de cascalho da antena delimita a área limitada sob as antenas onde os campos podem exceder o padrão. Fora dessa cerca, os campos eletromagnéticos caem muito rapidamente e estão sempre abaixo do padrão.

O HAARP não pode controlar ou manipular o clima. As ondas de rádio nas faixas de frequência transmitidas pelo HAARP não são absorvidas nem na troposfera nem na estratosfera – os dois níveis da atmosfera que produzem o clima da Terra. Como não há interação, não há como controlar o tempo meteorológico.

A água das nuvens e da chuva é um pouco opaca para ondas de rádio de comprimento de onda mais curto. A faixa de micro-ondas que pode interagir com a água, o que é feito em fornos de micro-ondas para aquecer alimentos através do aumento da agitação das moléculas de água contidas neles. Nos radares meteorológicos, feixes são utilizadas para medir a localização de nuvens muito densas e gotículas de chuva, assim como pedras de gelo. No entanto, seria necessário um micro-ondas absurdamente poderoso para ferver uma nuvem de qualquer tamanho significativo.

As ondas de rádio emitidas interagem com cargas e correntes elétricas e não interagem significativamente com a troposfera. Além disso, se as tempestades ionosféricas causadas pelo próprio sol não afetam o clima da superfície, não há chance de que o HAARP também possa. As interações eletromagnéticas ocorrem apenas no vácuo próximo da região rarefeita, mas eletricamente carregada da atmosfera, conhecida como ionosfera.

A aurora natural é criada quando partículas de energia muito alta em uma região do espaço conhecida como magnetosfera são arrastadas em direção aos pólos magnéticos da Terra e colidem com moléculas de gás existentes na atmosfera superior. A energia envolvida neste processo é enorme e é totalmente natural. Ou seja, a energia gerada no HAARP é tão mais fraca do que esses processos naturais que é incapaz de produzir o tipo de exibição óptica observada durante uma aurora. Emissões ópticas fracas e repetíveis foram formadas usando HAARP (e relatadas na literatura científica) mas observadas usando câmeras muito sensíveis.

As últimas operações ativas do Instrumento de Pesquisa Ionosférica foram concluídas em outubro de 2022. As campanhas são executadas por grupos de cientistas colaboram para conduzir pesquisas ionosféricas interativas. O HAARP não é o único aquecedor ionosférico do planeta. Há também um localizado na Noruega e outro na Rússia. Todos eles realizam o mesmo processo.

Fontes

Compartilhe :)

12 comments

  1. Excelente artigo, bastante oportuno; se pudesse influenciar no clima e fazer chover (como alguns pensam), estaria resolvida a aridez nos desertos, no sertão…

    1. Até parece que não conhece o ser humano. Estas informações trazidas aqui relatam o que eles querem, mas quem duvida que já não descobriram outras formas de experimentos com o uso do H.A.A.R.P.

    2. Com certeza que os americanos e russos detém essa tecnologia, chineses Tb tem. Quem interfere diretamente são os americanos para manter a supremacia americana principalmente na América do Sul. Isso chega a ser covardia, por isso que vemos cada vez mais o mundo mudando. Fora os testes de bombas nucleares no subsolo gerando ondas de frequência gigantescas.

  2. Que belo artigo! conheci o site há alguns dias por estar procurando uma lista dos códigos ICAO das localidades de aeródromo para meu projeto e acabei me deparando com um site feito por quem gosta de Meteorologia (minha profissão na FAB) e python (linguagem que eu estudo). Parabéns pelo projeto!!!!

    1. Oi Claudio, que bom que gostou do artigo e do site. Obrigado pelo comentário! Caso tenha algo que desenvolveu e possa compartilhar, será um prazer conhecer mais do seu trabalho.

  3. Acho que ñ é bem assim. Há alguma intenção que não é revelada e que está pir detrás disso tudo. O “povo” é anestesiado para essas coisas….

  4. Bom dia, eu acredito sim que essas antenas de HAARP foram criadas e são usadas para desestruturar todo o meio ambiente com essa frequência de rádio, modificando a ionosfera, mesmo porque já foi especulado, se não dizendo que foi confirmado que tem intuito de armas para uso militar. Infelizmente as informações não estão sendo passadas, e muito tem sido enganados, devemos procurar informação em vários lugares para não sermos enganados. Mesmo porque nesse artigo parece que algumas frases com afirmativas se contradizem.

    1. verdade Marcia vc falou tudo no seu comentário,as vezes acontece coisas no clima que ate desconfio exemplo estes dias atras o tempo em pleno verao estava com cara de inverno

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.