Esse mundo é um Colosso

A TV Colosso foi um programa infantil de televisão da Rede Globo exibido nas manhãs de 1993 a 1997. Ele entrou no lugar do Show do Mallandro e do Xou da Xuxa, sendo depois substituído pelos programas Angel Mix e Caça Talentos (comandados pela apresentadora Angélica). Criado pelo Grupo Criadores e Criaturas/CEM MODOS, utilizavam bonecos manipulados manualmente ou de forma eletrônica, intercalando os quadros produzido com a apresentação de desenhos animados.

A ideia central era mostrar os cachorros em um ambiente televisivo, do presidente ao office-boy, todos vivendo a correria diária de colocar uma programação no ar. O cast de bonecos era composto por 28 fantoches, sendo 25 cachorros e três pulgas. Os cachorros interpretavam vários papéis, somando 50 personagens. Dentre os mais famosos, estão a produtora Priscila, o operador Borges, o faz-tudo Gilmar, o direto JF e seu assistente Capachão.

Alguns dos programas apresentados pela TV Colosso eram paródias dos programas da Rede Globo e de outras emissoras: “Jornal Colossal” (sátira do Jornal Nacional), o seriado “As Aventuras do Super-Cão” (remetendo ao seriado norte-americano As Aventuras do Superman), “Acredite Se Puder” (apresentado contador de histórias Jaca Paladium, em referência ao “Acredite se quiser”, famoso nos anos 80), dentre outros.

Um dos criadores da TV Colosso, Luiz Ferré, diz que recebeu carta branca da Rede Globo para conduzir a atração. Então chamou gente que entendia de humor, mas não necessariamente para criança. Foi o caso dos cartunistas Angeli, Glauco e Laerte, parceiros da HQ Los Tres Amigos e ex-roteiristas do humorístico TV Pirata. A equipe teve outros grandes nomes das HQs, como Adão Iturrusgarai (o criador da Aline), Luiz Gê e Fernando Gonsales (que já fazia humor com “bichos humanizados” na tirinha Níquel Náusea). Até o cronista Luiz Fernando Veríssimo ajudou em alguns roteiros, mas não recebeu crédito oficial.

A dublagem dos bonecos reunia grandes nomes da dublagem brasileira, como Mário Jorge, Mônica Rossi, Isis Koschdoski, Garcia Júnior, Guilherme Briggs, Sheila Dorfman, Márcio Simões, Hércules Fernando, Carlos Seidl, Marco Antônio Costa, Hamilton Ricardo, Mauro Ramos, Marco Ribeiro, Reynaldo Buzzoni, Sheila da Silva e Sousa.

Revistas e disquetes da coleção “Esse mundo é um Colosso”. Adaptado de The Gamer Collector

Em 1994, a Editora Abril Jovem lançou uma coleção de livros ilustrados estrelados pela turma da TV Colosso. Destinadas ao público infantil, a coleção traz como brinde um jogo educativo multimídia para PC. Uma matéria de jornal da época diz que, para jogar, “basta ter um 386 com DOS, Monitor VGA, drive 3,5, mouse instalado, DOS pelo menos na versão 3.3, espaço disponível em disco de 4 Mb e 2 Mb de memória RAM”.

No primeiro disquete da série “Esse mundo é um Colosso“, o jogo leva o usuário para um passeio por nove países e, através de fotos e músicas, apresentam características geográficas, políticas, econômicas e culturais. No mapa múndi, navega-se até o país de preferência. Depois de um clique, surge uma tela com o contorno geográfico, a bandeira do país e uma música dispara. Na tela seguinte, aparecem fotos do país e uma questão de múltipla escolha com três opções. Quando o jogador acerta, Priscila ou Gilmar comemoram; caso contrário, dão uma de emburrados ou ficam chateados. São duas questões por país, cada uma valendo 10 pontos. As perguntas mudam a cada jogada, mas algumas delas às vezes se repetem.

Foram lançados quatro volumes com disquetes no total. Cada fascículo vem com nove países diferentes:

  • Esse mundo é um colosso 1 – Brasil, México, Estados Unidos, Espanha, França, Itália, Síria, China, Japão
  • Esse mundo é um colosso 2 – Argentina, Peru, Canadá, Portugal, Alemanha, Egito, Rússia, Índia, Austrália
  • Esse mundo é um colosso 3 – Chile, Reino Unido, Irlanda, Países Baixos, Suíça, Israel, Marrocos, África do Sul, Nova Zelândia
  • Esse mundo é um colosso 4 – Bolívia, Jamaica, Áustria, Noruega, Grécia, Turquia, Irã, Nepal, Tailândia

Um vídeo com o jogo do fascículo 2 está disponível a seguir:

Você pode jogar online o volume 4 clicando nesse link do Internet Archive: Esse mundo é um Colosso 4. Foi uma pequena saga eu conseguir colocar esse jogo disponível no site (acompanhe nos próximos parágrafos rsrs).

Lembro de ter ganho os quatro volumes da coleção do meu pai na Bienal do Livro de 1994. Infelizmente os disquetes foram se deteriorando com o tempo, sobrando apenas os volumes 1 e 4. Destes, consegui somente copiar o conteúdo do último disquete, graças a um notebook antigo (obrigado Eduardo e Felipe!). O disquete vinha com três arquivos: COLOINST (binário), COLOSSO4.BAT (scripts para escolher a letra do drive para instalação e copiar os arquivos) e INSTALA.BAT.

Esses arquivos foram copiados para uma máquina virtual (VM) com um sistema compatível com o DOS (proprietário da Microsoft), chamado FreeDOS. Para ver como baixar a imagem e criar/configurar uma VM igual a essa e compartilhar os arquivos, fiz o post Máquina Virtual com DOS.

Através do FreeDOS e com os arquivos de instalação copiados, foi executado o arquivo INSTALA.BAT para instalação. Os arquivos gerados eram seis: COLOSSO4.EXE (binário com o jogo), COLOSSO4.IDT, INICIO4.IDT, PAISES4.IDT, SBLASTER.IDT e TEXTOS4.IDT. Esses deviam ser gravados em um arquivo.ZIP para fazer o upload ao site do Internet Archive. Veja mais sobre o processo e links para outros jogos do site no post Jogos antigos no Internet Archive.

Fontes