Dicas para fazer um boletim

O idealizador e antigo editor chefe do boletim “O Bugio”, do Parque Cientec/USP, Alexandre Postigo, passou aos colegas algumas etapas e dicas para escrever um boletim informativo. Repasso o texto dele a seguir com algumas adaptações. Tento seguir alguns passos para escrever aqui no site, espero que ajude você também.

1 Definir as Pautas da edição

Não é apenas definir os assuntos que serão abordados. Fazer uma pauta significa definir um assunto básico, qual será a abordagem que esse assunto terá (o que a matéria vai apurar, qual seu objetivo), quais pessoas você deve tentar entrevistar (se possível já com o contato dessas pessoas), o que será perguntado para essas pessoas, o número de caracteres que o texto terá, se terá foto/ilustração ou não e definir um título provisório que identifique a matéria. Um exemplo:

Matéria: brinquedos ludo-científicos (com foto, 2700 toques)

Com a matéria, quero descobrir de que forma os passeios pelos aparelhos ludo-científicos ajudam na aprendizagem de conceitos passados pelas escolas. Por qual razão misturar brincadeira e ciência pode ajudar os visitantes a entender alguns conceitos difíceis de física e matemática.
– Entrevistar:
um ou mais visitantes que estejam usando alguns dos aparelhos da exposição de física e/ou da exposição de matemática: o que achou do brinquedo (gostou, não gostou, porquê)? O que aprendeu?
Obs: perguntar sempre, em todas as entrevistas, o nome completo e a idade dos entrevistados. No caso dessa matéria seria bom saber também o dia da visita, o nome da escola, a cidade e quantos visitantes.
– Entrevistar:
algum especialista da USP que tenha feito um trabalho acadêmico sobre a eficiência ou não do uso de aparelhos ludo-científicos no ensino de matérias básicas do primeiro e segundo graus: quais os benefícios que o uso desses aparelhos pode trazer? Perguntar sobre a pesquisa dela: qual o objetivo, quais os resultados? Descrever o tipo de aparelho que existe no Parque e perguntar o que ela acha etc.
– Foto:
crianças usando os aparelhos.

2 Apurar as matérias

Aqui você vai, claro, correr atrás do que precisa para escrever a matéria. Pesquisar na internet ou por outros meios sobre o assunto, entrevistar as pessoas, tirar as fotos.

3 Escrever as matérias

Tendo tudo em mãos, é só começar a escrever. Mas claro: é mais fácil falar do que fazer, principalmente para você que está começando. Algumas coisas que posso dizer sobre linguagem jornalística:

a) ela é sempre direta
b) não use (ou use poucos) adjetivos: apenas relate um fato de forma objetiva.
c) as coisas mais importantes vêm primeiro. Isso quer dizer que a matéria já deve começar pelo que é mais importante. Por exemplo: uma matéria sobre um incêndio em um prédio. Você começa falando sobre o fato principal: “Um incêndio consumiu quatro andares do Edifício Garças, localizado na região central da cidade, na tarde de ontem. O fogo começou por volta das duas da tarde como resultado de um curto-circuito no sistema elétrico do prédio. Etc” Na verdade, os jornalistas dizem que uma matéria deve responder no primeiro parágrafo algumas perguntas básicas (esse primeiro parágrafo, em jornalismo, tem até um nome: lead):
– O que aconteceu?
– Quando?
– Onde?
– Por quê?
– Como?
– Com quem?

Uma outra forma de perceber a estrutura de um texto para jornal é pensar na chamada “Pirâmide Invertida”, outro termo jornalístico. Uma pirâmide invertida tem sua parte mais ampla em cima e sua parte menor embaixo, ou seja, é como a estrutura de um texto para jornal: as informações mais importantes ficam no começo do texto (na parte de cima da pirâmide); a importância relativa dos assuntos vai diminuindo (como acontece com a largura da pirâmide) até chegar à sua base, bem fina, que tem assuntos complementares, que poderiam até serem retirados do texto sem comprometimento do entendimento do que se quer passar.

É importante dizer que a linguagem de um texto jornalístico deve estar dentro da média da linguagem das pessoas, ou seja, nem tão formal nem tão coloquial. Escreva corretamente, mas não queira escrever difícil.  Não use palavras que poucas pessoas sabem seu significado para demonstrar erudição, ou, por outro lado, muito mundanas. Se for necessário usar termos técnicos sempre explique seu significado (o mesmo vale para siglas, por exemplo).

4 Fazer a diagramação

Se seu planejamento foi feito corretamente, fez todas as matérias que precisava, com o número de caracteres que estipulou e tirou as fotos necessárias, essa parte se torna mais fácil. Caso contrário, será necessário correr atrás de matérias e fotos na última hora e tudo vai se complicar.

Bem, é isso. Importante dizer que o boletim informativo geralmente tem dois objetivos muito específicos: relatar o que acontece e fazer a divulgação da instituição. Assim, todas as matérias que forem feitas e os artigos que forem publicados devem ter alguma relação com essas duas coisas.