Cirrocumulus

A nuvem cirrocumulus (Cc) foi definida inicialmente por Howard (1803) e complementada por Renou (1855). Seu nome em latim é formado pela união das palavras cirrus (fibroso, encaracolado) e cumulus (acumulado). Ela é classificada como sendo de estágio alto, ou seja, forma-se entre 6 e 18 km de altura em região tropical, entre 5 e 13 km em região temperada e entre 3 e 8 km em região polar. Por isso, são formadas de cristais de gelo quase que exclusivamente; as poucas gotículas existentes rapidamente se transformam em cristais.

“Mancha fina e branca, folha ou camada de nuvem sem sombreamento, composta de elementos muito pequenos na forma de grãos, ondulações, etc., fundidos ou separados, e mais ou menos regularmente dispostos; a maioria dos elementos tem uma largura aparente inferior a 1°.”
Definição da nuvem Cirrocumulus segundo o Atlas Internacional de Nuvens da Organização Meteorológica Mundial

Formam uma camada fina de nuvens brancas, sem sombra própria, composta de elementos em forma de grânulos, rugas, agrupados ou não e dispostos aproximadamente de maneira regular. São sempre suficientemente transparentes para deixarem aparecer a posição do sol ou da lua, e podem ser observadas coroas.

O termo cirrocumulus se refere a cada nuvem, mas normalmente também é usado para se referir a uma mancha inteira de cirrocumulus. Quando usado desta forma, cada elemento cirrocumulus é referido como um “cloudlet”.

Na região adiante de um distúrbio sinótico, em geral os cirrus estão acompanhados por cirrocumulus. Seu significado sinótico depende da transformação que o originou, e portanto, não possui regra geral.

Quando os ventos da corrente de jato excedem 70-100 nós, essas nuvens se alinham perpendicularmente ao fluxo turbulento do vento. Em velocidades menores do vento, as nuvens se movem em linhas, ou ruas, paralelas ao fluxo do vento. Esta dinâmica acontece para qualquer nuvem de alto nível, mas é mais visível no caso da cirrocumulus.

Cirrocumulus podem ser confundidas com cirrus em flocos arredondados ou em forma de pequenas torres/ameias sobre uma base comum. No entanto, as cirrocumulus têm uma largura aparente inferior a 1° quando observada sob um ângulo superior a 30° acima do horizonte (largura aproximadamente a do dedo mindinho com o braço estendido).

Existem todos os estágios de transição entre cirrocumulus e altocumulus, o que era esperado, uma vez que seu processo de formação é o mesmo. O termo cirrocumulus é usado quando a nuvem satisfaz um ou mais dos critérios: (a) há conexão evidente com cirrus e cirrostratus; (b) resulta de uma transformação de cirrus e cirrostratus; (c) apresenta características de nuvens de cristais de gelo. Devido à maior altitude e processo de formação, os elementos de Cc tem uma largura aparente inferior a 1°, diferentemente da maioria das Ac.

Espécies (só pode ser uma)

  • stratiformis (str): aparência espalhada horizontalmente.
  • Cirrocumulus stratiformis undulatus. Foto: ViniRoger
    Cirrocumulus stratiformis undulatus. Foto: ViniRoger
  • lenticularis (len): forma de lente/disco, estacionária no céu; provêm, geralmente, da ascensão orográfica local de uma camada de ar úmido.
  • castellanus (cas): serrilhada em cima (como torres de castelo, que se elevam de uma base em comum).
  • floccus (flo): flocos/tufos individuais, bases irregulares, às vezes com virgas.
Cirrocumulus floccus. Foto: ViniRoger
Cirrocumulus floccus. Foto: ViniRoger

Variedades (pode ser mais de uma)

  • undulatus (un): ondulações distintas (vento é perpendicular às “ruas” de nuvens).
  • lacunosus (la): com buracos/lacunas, nuvem fina com furos regularmente espaçados, aparecendo como uma rede.

Este tipo de gênero é sempre translúcido e, portanto, não possui variedades baseadas em opacidade. No entanto, como a cirrus, certas espécies de cirrocumulus podem às vezes ser divididas em variedades baseadas em padrões.

Nuvens anexas e características suplementares

  • virga (vir): ramo, precipitação que não chega ao solo.
  • Cirrocumulus castellanus virga. Foto: ViniRoger
    Cirrocumulus castellanus virga. Foto: ViniRoger
  • mamma (mam): seio/sino abaixo da base da nuvem.
  • cavum (cav): buraco.

Nuvens-mãe e nuvens especiais (genitus)

Não possui.

Nuvens-mãe e nuvens especiais (mutatus)

  • Cirrus
  • Cirrostratus
  • Altocumulus
  • Homo

As cirrocumulus podem surgir no ar claro, da transformação de cirrus ou de cirrostratus (cirrocumulus stratiformis cirromutatus ou cirrostratomutatus) ou da diminuição da dimensão dos elementos constitutivos de um banco, de um lençol ou de uma camada de altocumulus (cirrocumulus altocumulomutatus).

Os cristais de gelo fazem com que as gotas de água super-resfriada na nuvem congelem rapidamente, transformando o cirrocumulus em cirrostratus. Este processo também pode produzir precipitação na forma de uma virga consistindo de gelo ou neve. Portanto, as nuvens cirrocumulus costumam ter vida curta. No caso de transformação em uma altocumulus, identificam-se movimentos verticais de ar nas camadas médias e altas da troposfera, além de cisalhamento do vento, gerando turbulência.

Veja outros gêneros de nuvens a partir de sumário na página Atlas de Nuvens.

Referências

Compartilhe :)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.