Certo ou errado? Como se escreve?

A linguagem é a capacidade do ser humano de se comunicar, seja através da oralidade, escrita, imagens, gestos, músicas, etc. Para que a outra pessoa entenda, é necessário haver adequação de linguagem. Por exemplo, o uso de abreviações de internet em um e-mail formal do trabalho pode gerar falta de entendimento se um dos lados não conhece uma ou mais palavras utilizadas pelo outro.

Palavras escritas de modo inadequado dificultam a comunicação
Palavras escritas de modo inadequado dificultam a comunicação

Regionalismos, palavras de outros idiomas ou siglas e termos específicos de uma área podem trazer um ruído extra na comunicação conforme a origem e costumes das pessoas envolvidas. A linguagem não pode ser usada sempre da mesma forma, pois depende de contexto, interlocutores e objetivo. Por isso mesmo, não deve-se classificar a linguagem como certa ou errada, e sim como adequada ou inadequada.

Na linguagem escrita, é de se esperar que todos utilizem uma mesma norma para que todos compreendam a mensagem. Seu uso tem crescido bastante através de mídias sociais, como Facebook, Twitter e Whatsapp. Nesses meios, é adequada a comunicação utilizando a forma coloquial do português, mas não é o mesmo de um ambiente profissional. As empresas avaliam a comunicação como um todo, sendo uma competência bastante considerada quando se pensa em contratar ou promover alguém. Erros de português em currículos ou redações de processos seletivos, assim como gírias e vícios de linguagem (‘tá’, ‘né’, …) na entrevista – se você não lê, não tem vocabulário e não consegue se expressar bem para diferentes públicos.

Veja algumas confusões geralmente feitas ao tentar escrever certas palavras (os famosos “principais erros de português que as pessoas fazem”):

nao Não escreva …Escreva Assim … sim
A nível de governo federal (com status de)Em nível de governo (ou melhor, no âmbito de governo federal)
A grosso modoGrosso modo
Ao meu verA meu ver
AgenteA gente (separado, quando é junto vira “agente secreto”)
Andá (ação)Andar (verbos no infinitivo terminam com r)
Aonde você está?Onde você está? (‘onde’ é usado com verbos que expressam a ideia de estado ou permanência, e ‘aonde’ é usado com a ideia de movimento)
AsterísticoAsterisco
Bi-campeãoBicampeão
CardaçoCadarço
Correr atrás do prejuízoCorrer do prejuízo
Comprimentou (saudação)Cumprimentou
ConcertezaCom certeza
Di menorMenor de idade
Da ondeDe onde
Daqui 5 diasDaqui a 5 dias
Debitou na minha contaDebitou à minha conta
DerrepenteDe repente
Desapercebido (algo que não foi percebido)Despercebido
Devidas providênciasProvidências (quem pediria providências indevidas?)
E nemNem (a conjunção ‘nem’ significa ‘e não’)
Em vias deEm via de
Ele está afim delaA fim (quando separado, indica ideia de finalidade, objetivo)
Em baixoEmbaixo (junto)
EncimaEm cima (separado)
Encontrarão (passado)Encontraram (o verbo termina com ‘m’ no passado e com ‘ão’ no futuro, como na frase ‘eles comeram muito hoje pois sabem que amanhã não comerão mais’)
Entre eu e eleEntre mim e ele
Entregar em mãosEntregar em mão (ninguém escreve ‘a mãos’, nem fica ’em pés’)
Essa briga, não me abateuEssa briga não me abateu (não se separa sujeito e predicado com vírgula)
Há 10 anos atrásHá 10 anos (ou 10 anos atrás)
IorguteIogurte
Isso vai de encontro às minhas ideias (indicando concordância)Isso vai ao encontro das minhas ideias (ir ‘de encontro’ indica oposição, enquanto que ir ‘ao encontro’ indica convergência, concordância)
Junto aNo/ao (não renegocie uma dívida junto aos credores e sim com os credores)
Maiores informaçõesMais informações (não existem informações maiores ou menores)
Mais (oposição)Mas (a não ser que esteja falando de somar, como em ‘dois mais dois são quatro’)
Meia cansadaMeio cansada (sempre no masculino; meia cansada indicaria que você está metade cansada e metade descansada, ou é uma meia de alguém que correu muito :P)
Meio-dia e meioMeio dia e meia (já que se refere a ‘meia hora’)
MenasMenos (sempre, mesmo que esteja no feminino; ‘menas’ não existe)
MendingoMendigo
MortandelaMortadela
Nada haverNada a ver
No aguardoAo aguardo
Nóis aprendeNós aprendemos (ou a gente aprende)
O mesmoEle (o termo ‘o mesmo’ não serve para substituir uma palavra anteriormente dita)
O quanto antesQuanto antes
Obrigado (dito por mulher)Obrigada (sempre, se for mulher)
Peguei pra mim comerPeguei para eu comer (‘mim’ não conjuga verbo; usa-se ‘mim’ depois de preposição, como na frase ‘está tudo certo entre mim e você’)
PorissoPor isso
Porque (em pergunta)Por que se usa separado em perguntas e junto em explicações
QuizQuis (a não ser que esteja falando daqueles jogos de perguntas e respostas)
RúbricaRubrica
Segue anexo a fotoSegue foto em anexo (ou fazer a palavra concordar em gênero e número: ‘segue foto anexa’, já que foto está no feminino)
Sujeito a guinchoSujeito a guinchamento (guincho é o veículo que faz a ação do guinchamento)
Tão pouco (também não)Tampouco)
Trezentas gramas (peso)Trezentos gramas (sempre diga no masculino; grama no feminino é aquela da pracinha)
Venda à prazoVenda a prazo (não se usa crase diante de palavras masculinas; crase é a união da preposição ‘a’ e do artigo feminino ‘a’)
Viajem (substantivo)Viagem (o verbo ‘viajar’ que usa ‘j’)
Você é malVocê é mau (mal com ‘l’ é o oposto de bem, e mau com ‘u’ é o oposto de bom)
Vou estar verificando seu cadastroVou verificar (ou verificarei) seu cadastro (esse erro é conhecido como gerundismo)

Uma coisa é dizer que “o tráfego está intenso” (ou seja, as ruas estão cheias de carros); outra é dizer “o tráfico está intenso” (muita venda de drogas, por exemplo). Outras palavras parecidas e com significados diferentes são ratificar (confirmar) e retificar (corrigir). O mesmo cuidado vale para expressões como “ao invés de”, que representa oposição, e “em vez de”, que quer dizer “no lugar de”. Outros exemplos podem ser vistos no artigo da revista Exame: 100 erros de português frequentes no mundo corporativo.

Palavras escritas corretamente mas em contexto errado
Palavras escritas corretamente mas em contexto errado

Erros de sintaxe também complicam a comunicação. Imagine uma mãe que manda a mensagem para a filha “você está com o seu irmão?” e ela responde “não está na padaria”. A falta da vírgula fez com que a mensagem, que era “ele não está comigo, e sim na padaria”, se transforma em “ele não está na padaria, não sei onde ele está”.

Esses são exemplos de vícios de linguagem: palavras ou construções que deturpam, desvirtuam, ou dificultam a manifestação do pensamento, seja pelo desconhecimento das normas cultas, seja pelo descuido do emissor. Além do barbarismo e da ambiguidade, existe também a cacofonia, que é o encontro ou repetição de fonemas ou sílabas que produzem efeito desagradável ao ouvido. Ela só é melhor percebida quando a pessoa lê a mensagem, por isso é bom ler o que você escreveu antes de mandar a mensagem.

O pleonasmo consiste numa redundância inútil e desnecessária de significado em uma sentença. Esse tema é tratado com muito humor nessa esquete do humorista Marcius Melhem:

Veja outros exemplos de vícios de linguagem clicando no link, para assim evitá-los também na comunicação escrita.

Espalhe a mensagem

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.