Alfabeto fonético ou de soletração

Muitas vezes conhecido como alfabeto fonético, alfabetos de soletração não têm conexão com sistemas de transcrição fonética como o alfabeto fonético internacional. O alfabeto de soletração mais utilizado no mundo foi desenvolvido pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) e foi adotado por várias outras organizações internacionais. Ele define palavras-chave para letras do alfabeto inglês por meio de um princípio acrofônico (Alfa para A, Bravo para B, etc.) para que combinações críticas de letras (e números) possam ser pronunciadas e entendidas por aqueles que transmitem e recebem mensagens de voz por rádio ou telefone, independente de seu idioma nativo, especialmente quando a segurança de navegação ou de indivíduos é essencial.

Criei um alfabeto fonético ilustrado, para ajudar a gravar os nomes, com a pronúncia ao lado. Para memorizar, nada melhor do que a prática: soletre palavras no seu dia-a-dia utilizando esse alfabeto, evitando algo como “i de iscola ou e de esqueiro?” (clique aqui para ver o vídeo).

AlfabetoFonetico

Também existe essa historinha para ajudar a lembrar os respectivos nomes das letras desse alfabeto:

ALFA ficou BRAVO ao saber que CHARLIE, comissário de bordo da DELTA Airlines, dono de um ECHO esporte e um FOXTROT foi de GOLF pro HOTEL, onde conheceu uma linda INDIA chamada JULIET. Ela era de LIMA, o largou e casou-se com MIKE em NOVEMBER. Ganhou o OSCAR e foi abençoada pelo PAPA em QUEBEC. Outro azarado foi ROMEU que subiu a SIERRA, dançou TANGO de UNIFORME com VICTOR e depois de tomar WHISKY, acordando com o X-RAY de um YANKEE chamado ZULU na mão.

Nem sempre o alfabeto fonético foi o atual. Os militares britânicos e americanos usaram o seguinte alfabeto fonético durante a Segunda Guerra Mundial:

Able, Baker, Charlie, Dog, Easy, Fox, George, How, Item, Jig, King, Love, Mike, Nan, Oboe, Peter, Queen, Roger, Sugar, Tare, Uncle, Victor, William, X-ray, Yoke, Zebra

A letra “R” tinha uma importância extra, pois indicava comunicação “Recebida”. “Roger” tornou-se o short signal de “R” em 1927, quando o primeiro alfabeto fonético foi instituído pela International Telegraph Union. Em vez de usar o termo em inglês “received”, “roger” era mais curto e fácil de pilotos de outras nacionalidades pronunciarem. Daí também veio a expressão “roger wilco”, que vem de “received” e “I will comply”: recebido, cumprirei.