Nuvem do Levante de Gibraltar

Uma curiosa formação de nuvens foi compartilhada pelo Met Office, o serviço meteorológico do Reino Unido. O fenômeno aconteceu em Gibraltar, território ultramarino britânico localizado no extremo sul da Península Ibérica (Europa). Por ser um fenômeno recorrente no local, possui o nome de “Levanter cloud”, ou nuvem do Levante.

Nuvem do Levante sobre o Rochedo de Gibraltar. Foto: Met Office Gibraltar
Nuvem do Levante sobre o Rochedo de Gibraltar. Foto: Met Office Gibraltar

O vídeo é um time lapse, no qual uma sequência de fotos tiradas com um certo intervalo de tempo entre si é visualizada em sequência, causando uma impressão de que o tempo passa mais rápido. Essa técnica é interessante para se observar rapidamente fenômenos que levariam muito mais tempo de observação para se perceber seu movimento.

A câmera está localizada no aeroporto de Gibraltar (veja o mapa no link), cuja pista está na direção leste-oeste. No canto direito do vídeo, é possível observar uma rua que cruza a pista do aeroporto, incluindo com sinal de trânsito e cancela para controle de tráfego quando da passagem de um avião em solo – de modo semelhante a uma cancela de trem. Em destaque, está o Rochedo de Gibraltar, com 426 metros de altura.

A nuvem recebe esse nome devido aos ventos quentes e úmidos que sopram do leste do Mediterrâneo para oeste, que recebem o nome de Levante. De acordo com a Royal Meteorological Society do Reino Unido, o vento pode soprar em qualquer época do ano, mas é mais comum de junho a outubro. Quando isso ocorre, o ar é forçado a subir sobre o Rochedo de Gibraltar. Como ele esfria à medida que sobe, o vapor de água se condensa em uma nuvem. O vento deve estar em uma velocidade de no máximo 20 nós (38 km/h) para ocorrer essa formação.

Ela pode receber diferentes nomes devido a sua aparência ou seu processo de formação. Ela é conhecida como “banner cloud” (nuvem bandeira) ou nuvem lenticular. Ao contrário das nuvens que atravessam o céu, uma nuvem lenticular adquire sua forma única quando o ar úmido sobe a montanha, forma uma nuvem menor em forma de disco e desce já seco. Ela também não deixa de ser uma nuvem orográfica por se formar devido ao relevo. A barlavento de grandes montanhas, onde o ar úmido ascendente se condensa em nuvens densas, muita chuva e neve podem cair, enquanto que a sotavento fica um ar extremamente seco.

A sotavento também ocorre muita turbulência. Observando-se a formação da nuvem, nota-se um escoamento laminar logo no início da formação da nuvem no topo. No entanto, depois do fluxo correr por algumas dezenas de metros, a turbulência predomina.

Uma nuvem formada por basicamente o mesmo processo também já foi registrada no Pão de Açúcar (Rio de Janeiro/RJ), podendo ser observada no vídeo acima.

Fontes

Compartilhe :)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.