Gurgel: carros 100% brasileiros

A Gurgel Motores S/A foi uma fabricante brasileira de automóveis desenvolvidos pelo engenheiro João Augusto Conrado do Amaral Gurgel e que tinha a proposta de produzir veículos 100% nacionais. Até hoje em dia, as montadoras devem obedecer a uma porcentagem de componentes nacionais para considerar o carro como nacional – o motor, uma das partes mais importantes e de maior desenvolvimento tecnológico, geralmente é importado. O desenvolvimento do automóvel é feito todo fora do Brasil, sendo que somente alguns ajustes são feitos por aqui: o foco é montar o carro.

A Gurgel começou em 1969, na Avenida do Cursino nº 2499, em São Paulo. Atualmente, o terreno não tem um uso bem definido, mas quase em frente continua a existir a Yamauto peças e serviços, que chegou a firmar uma parceria com a Gurgel na parte de peças e assistência técnica. Em 1975, mudou sua sede para Rio Claro, mas depois o endereço foi convertido para o CICA – Condomínio Industrial Cidade Azul.

Gurgel começou fabricando minicarros infantis a partir de motores estacionários dois-tempos. Em setembro de 1969, lançou o Ipanema: um bugue de capota de lona com design moderno e motor Volkswagen. Com isso, percebeu um bom segmento de mercado necessário às mal cuidadas estradas brasileiras, muitas delas de terra: o off-road.

O Brasil tinha restrição à importação de veículos automotores. No mercado, existiam o Toyota Bandeirante (versão brasileira do Land Cruiser com motor diesel Mercedes) e o Jeep Willys (posteriormente Ford). Eles eram equipados com tração 4×4, mas eram muito caros e apresentavam alto custo de manutenção e consumo.

Em 1972, surgiu o Xavante XT. Foi o primeiro carro da fábrica testado pelas Forças Armadas, e serviu de base para o Xavante XTC, um jipe maior e mais quadrado, e o Xavante X-12 (ambos de 1974). As versões mais antigas traziam o estepe sobre o capô, sendo que alguns traziam uma pá retrátil na porta. Já o X-12 vinha com capota alta, bancos em concha com almofadas removíveis, guincho manual frontal (opcional) e maior facilidade de acesso – ganhou versão de teto rígido (TR) em 1976. O X-12 foi a base para o Tocantins, que durou até 1991.

X-12

O Xavante já contava com chassi Plasteel, feito de fibra de vidro em mantas laminada, que aliava alta resistência a torção e difícil deformação, sobre um chassi monobloco de tubos de aço de seção quadrada. Além disso, era ideal para regiões litorâneas pois é muito resistente à ação da maresia. Também tinha suspensão desenvolvida por João Gurgel, que usava o sistema de semieixos com retorno limitado por coxins e cintas, além de molas helicoidais. Outra inovação era o Selectraction: alavancas de freio de mão que permitiam frear uma e outra roda motriz separadamente, anulando o efeito diferencial. Caso uma das rodas perdesse tração, era possível transferir toda a força para a outra.

Itaipu E-150

Em 1975 (mesmo ano da inauguração da fábrica em Rio Claro), a Gurgel apresentou o Itaipu E-150, um projeto pioneiro de carro elétrico. Começou como um minicarro urbano de dois lugares e evoluiu para uma caminhonete elétrica de design mais avançado que o da VW Kombi. O Itaipu E-400 furgão chegou a equipar frotas de companhias de eletricidade Brasil afora, mas as baterias de então, com muito peso e pouca capacidade de carga, não permitiam uma autonomia satisfatória.

X-15

Lançou a família X-15, em 1979, que usavam o motor 1.6 VW refrigerado a ar. Eram carros grandes e tinham versões abertas, com capota de lona, picapes e peruas tipo furgão. O Exército Brasileiro era seu principal cliente, que comprava principalmente o X12 e o X15 (furgão), e ainda alguns X20. Com mesna motorização e design muito parecido, o G-15 tinha versões monovolume e picape, suportando cerca de 1200 quilos de carga.

XEF

No fim de 1981, chegou o XEF: mini sedã urbano de duas portas, com três lugares lado a lado em um só banco largo. Em 1984, foi lançado o Carajás, uma espécie de precursor dos SUVs (sport utility vehicles). Ele foi o único modelo da Gurgel a adotar motor VW 1.8 de refrigeração líquida. Com suspensões independentes nas quatro rodas, motor dianteiro e câmbio e tração traseiros, usava soluções originais, como o tubo de transmissão primária (apelidado de Tork Tube), que levava a força do motor ao conjunto embreagem/câmbio traseiro.

Carajás

No dia 7 de setembro de 1987, a Gurgel apresentou o Cena (sigla para Carro Econômico Nacional). O nome gerou reclamações da família de Ayrton Senna e, no fim, o nome acabou virando BR-800. Usava projeto mecânico próprio, apesar de ainda usar o motor VW refrigerado a ar composto de dois cilindros opostos. Com potência de 26 ou 32 cv, o carro era econômico e atingia 110 km/h.

BR 800

Lançado em 1988, foi produzido até 1991. Inicialmente, era vendido com um lote de ações da Gurgel. A propaganda estampava uma foto do engenheiro ao lado de sua criação, com o slogan: “Se Henry Ford o convidasse para ser seu sócio, você não aceitaria?” Cerca de 8 mil clientes aceitaram – e se deram bem, pois em 1989 o BR-800 era vendido com ágio. Ele evoluiu para Supermini, de design mais harmonioso, em 1992.

Antes disso, em 1990, Gurgel havia apresentado o projeto Delta, que incluía o Motomachine, em diversas versões, com portas transparentes, conversível etc. O Motomachine teve algumas unidades fabricadas, mas o projeto Delta incluía uma nova fábrica no Ceará, que nunca saiu do papel.

Gurgel chegou a equipar alguns de seus carros com motores a álcool, mas não apoiava o Pró-Álcool (Programa Nacional do Álcool) devido aos subsídios governamentais dados aos produtores do combustível de cana-de-açúcar e por considerar que as terras agriculturáveis deveriam servir para alimentar pessoas, não automóveis.

A montadora produziu aproximadamente 40 mil veículos genuinamente brasileiros durante seus 27 anos de existência. Exportou para quase todos os países latino-americanos, incluindo Nicarágua, Jamaica e Panamá, e até para a Arábia Saudita. No entanto, acossado pela redução de impostos dos importados (o Lada Laika chegou a ser mais barato que os carros da Gurgel), começou a perder mercado, até mesmo para o renascido Fusca de Itamar Franco. Endividada, pediu concordata em 1993 e decretou falência no ano seguinte.

Em 2004, o registro do nome da empresa (Gurgel Motores) expirou junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial. A marca, incluindo logotipia, foi adquirida por um empresário de Presidente Prudente (SP). A empresa, sem nenhum vínculo com a família de Gurgel, dedica-se hoje à importação de triciclos chineses para carga. Em 2009, João Augusto Conrado do Amaral Gurgel faleceu, aos 83 anos, depois de mais de uma década prostrado pelo mal de Alzheimer.

Fontes

Espalhe a mensagem

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.