Disco voador? Não, é uma nuvem!

Imagine uma região montanhosa, onde muitos diriam ser uma excelente região para pouso de aeronaves alienígenas. Um silêncio e distanciamento dos problemas, você começa a sentir uma sensação boa que dificilmente experimenta. Começa a pensar que algo mágico e sobrenatural acontece. Ao observar o céu, aparece algo diferente, um padrão uniforme em meio a coisas naturais que você julgava serem completamente irregulares. “Com certeza não é natural, e não é humano” pensa. Esse disco permanece pairando no céu e se aproxima do topo da montanha. Será um disco voador?

ac-lent3Não, é mais um fenômeno da natureza, conhecido como nuvem. Conforme o ar úmido sobe a montanha, essa parcela de ar esfria e o vapor d’água nela contido começa a mudar de estado físico. Suas moléculas começam a ficar cada vez mais próximas, e começam a grudar em minúsculas partículas sólidas flutuando no ar. Invisíveis a olho nu, tornam-se núcleos desse fenômeno no qual as moléculas de vapor d’água, distantes e isoladas, começam a ficar próximas o suficiente para serem consideradas algo diferente, algo novo. Sim, houve a mudança de estado físico, agora as moléculas de água estão juntas o suficiente para serem chamadas de água em estado líquido. E assim se formaram várias gotinhas de nuvem, que de perto parecem uma simples neblina, mas de longe parecem um objeto sólido, branco, com um formato de disco inclusive!

ac-lent1Como então chamar esse fenômeno tão singular? Uma nuvem que formou um acumulado de água no céu… assim que devo chamá-la: acumulado. Mas é um acumulado mais alto do que todos os outros mais próximos, está perto do topo da montanha. Que tal “alto acumulado”? Somente isso não basta para descrever a aparência dessa nuvem tão estranha. Lembra uma lentilha… isso, chamarei de “alto acumulado com cara de lentilha”.

ac-lent4Porém, utilizando a sonoridade da língua latina, passarei isso para o latim, assim como os biólogos fazem com as espécies animais e vegetais: Altocumulus lenticulares. Esse é o gênero e a espécie desse tipo de nuvem, típica de regiões montanhosas, formada a barlavento de morros devido à elevação e resfriamento de uma parcela de ar.

iuniden001p1A natureza sempre nos surpreende com fenômenos que até hoje são explicados apenas através de hipóteses, mas muitos deles são explicados através de teorias científicas. Ou seja, foram demonstrados matematicamente a partir de axiomas e/ou experimentalmente através de experiências reproduzíveis em laboratório ou ao ar livre. Por si só, são fascinantes, mas muitos ainda buscam se deslumbrar com mentiras e explicações complexas e confusas de seres e coisas sobrenaturais que nunca causam um entendimento completo e certo das coisas.

ac-lent5A vida é apenas uma visão momentânea das maravilhas deste assombroso universo, e é triste que tantos se desgastem sonhando com fantasias espirituais. Existem muitas hipóteses em ciência que estão erradas. Isso é perfeitamente aceitável, eles são a abertura para achar as que estão certas. O método científico é comprovado e verdadeiro. Não é perfeito, é apenas o melhor que temos. Abandoná-lo, junto com seus protocolos céticos, é o caminho para uma idade das trevas. Para mim, é muito melhor compreender o universo como ele realmente é do que persistir no engano, por mais satisfatório e tranquilizador que possa parecer. Devemos manter a mente aberta, mas não tão aberta a ponto do cérebro cair.

Todas as frases desse último parágrafo foram ditas por Carl Sagan (1934-1996), astrônomo e biólogo norte americano.