Bloco 4 – resumo

Resumo das matérias do Bloco 4 do curso de Comissário de Voo; tópicos conforme Manual do Curso de Comissário de Voo MCA 58-11:

Conhecimentos Gerais de Aeronaves

  • Partes de uma aeronave
  • Classificações

Teoria de Voo

  • Aerodinâmica
  • Movimentos da aeronave
  • Estabilidade
  • Alta velocidade

Navegação Aérea

  • O planeta Terra
  • Introdução à Navegação Aérea
  • Sistema de coordenadas geográficas
  • Localização e orientação na Terra
  • Unidades de medida utilizadas na Navegação Aérea
  • Fuso horário

Meteorologia

  • Caracterização da Meteorologia
  • A Terra no sistema solar
  • Introdução à atmosfera terrestre
  • Calor
  • Água
  • Ventos
  • Nuvens
  • Nevoeiros
  • Turbulência
  • Frentes
  • Trovoadas
  • Gelo

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES

Aeróstatos: equipamentos mais leves que o ar; baseado no princípio de Arquimedes (empuxo); exemplos: balões e dirigíveis (exemplos).

Aeródinos: equipamentos mais pesados que o ar; baseado na terceira lei de Newton (ação e reação); exemplos: aeronaves, helicópteros e planadores.

Principais componentes estruturais de uma aeronave: fuselagem, empenagem/cauda, trem de pouso, asa, grupo moto-propulsor.

Fuselagem

Onde transportam-se passageiros e cargas; une as demais partes da aeronave;

  • Tubular: formada por um tubo de aço
  • Monocoque: formada por cavernas (que dão forma)
  • Semi-monocoque: formada por longarinas (mais completa)

Empenagem

Localizada na parte traseira da aeronave; gera estabilidade.

  • Estabilizador vertical (fixo)
  • Estabilizador horizontal (fixo)
  • Leme de direção
  • Profundor

Trem de pouso

Função de pouso, amortecimento e locomoção em solo.

Classificação por superfície de deslocamento:

  • Litoplano: para superfícies terrestres;
  • Hidroplano: somente para água; possui flutuadores;
  • Anfíbios: para ambos os tipos de superfície;

Classificação por fixação:

  • Fixo: não se move; gera maior atrito e menor velocidade;
  • Retrátil: recolhe parcialmente, deixando rodas aparentes; menor atrito que o fixo;
  • Escamoteável: recolhe totalmente, oferecendo mínimo atrito;

Classificação por mobilidade:

  • Convencional: roda direcional traseira, chamada bequilha;
  • Triciclo: roda direcional frontal; aviões modernos para passageiros;

Asas

Geram força de sustentação, que produz força para que a aeronave suba; formada por múltiplas estruturas, como:

  • bordos de ataque e fuga
  • dorso e intradorso
  • aileron
  • flap e slot/slat (dispositivos hipersustentadores = aumentar a sustentação)
  • spoliers/speed breakers (freio aerodinâmico)
  • montantes, longarinas e nervuras;
  • tanques de combustível;

Classificação por posição:

  • Asa alta
  • Asa média
  • Asa baixa
  • Parassol (fixa sobre a fuselagem, sem encostar nela)

Classificação por fixação:

  • Cantilever: fixa sem estais ou montantes
  • Semi-cantilever: fixa com estais ou montantes

Classificação por número de asas:

  • Monoplano: um par de asas
  • Biplano: dois pares de asas
  • Triplano: três pares de asas
  • Quadriplano: quatro pares de asas

Grupo moto-propulsor

Motor(es) e hélices; potência dos motores é controlada pelos manetes, gera tração para que a aeronave avance

Classificação por número:

  • monomotor
  • bimotor
  • trimotor
  • quadrimotor

Classificação por tipo de motor:

  • Pistão: convencional; motor de 4 tempos; utiliza como combustível a gasolina de aviação;
  • Turboélice: motores que propiciam voos mais baixos e mais lentos; à base de querosene;
  • Turbojato: motores mais eficazes, porém, mais barulhentos; geraram o turbofan; à base de querosene;
  • Turbofan: motores semelhantes aos turbojatos, mas menos barulhentos; à base de querosene; são os mais eficientes;

TEORIA DE VOO

Fluido (escoamento)

  • Organizado (laminar ou lamelar)
  • Desorganizado (turbulento ou turbilhonado)

Forças que atuam sobre uma aeronave em voo

  • Sustentação: Só ocorre se o avião estiver em movimento, ou seja, ocorrer o vento relativo sobre a asa; sobre a asa (extradorso), o ar se movimenta mais rápido, portanto maior pressão dinâmica (devido ao movimento) e menor pressão estática (isso ocorre por causa da conservação de energia), o que cria uma diferença de pressão; Ação do ar defletir para baixo implica em uma reação da asa impulsionada para cima.
  • Arrasto: Resistência ao avanço devido à colisão das moléculas de ar com a superfície da aeronave
  • Tração: Força dos motores joga ar pra trás e impulsiona aeronave para frente
  • Peso: Força da gravidade

Ângulos

  • Diedro: ângulo formado entre o plano da asa e o eixo lateral do avião. Pode ser positivo (pra cima) ou negativo (pra baixo).
  • Enflechamento: ângulo formado entre o eixo lateral do avião e a linha de bordo de ataque da asa. Pode ser positivo (pra trás) ou negativo (pra frente).
  • Incidência: ângulo entre a corda e o eixo longitudinal
  • Ataque: formado pela corda da asa e o vento relativo. Não pode ser muito elevado.
  • Estol: perda súbita de sustentação devido ao fluxo de ar sobre a asa ficar turbilhonado.

Movimentos da aeronave ao redor dos eixos e  superfícies de comando/controle

  • Vertical: guinada, pedais controlam leme de direção
  • Longitudinal: bancagem/rolamento, manche lateralmente controla ailerons
  • Transversal: tangagem/arfagem/picar (para baixo)/cabrar (para cima), manche para frente (picar) ou para trás (cabrar) controlam profundor

Estabilidade

  • Estável: tendência de voltar à posição de equilíbrio
  • Instável: tendência de se afastar da posição de equilíbrio
  • Neutro: tendência de permanecer na mesma posição

NAVEGAÇÃO AÉREA

Unidades de medida

  • 1º = 60’
  • 1’ = 60”
  • 1’ = 1 NM (milha náutica)
  • 1 NM = 1852 M = 1,852 KM
  • 1MT (milha terrestre) = 1609 M = 1,609 KM
  • 1KM = 1000 M

Linhas imaginárias

  • Circulo – paralelo – latitude – 0 (Equador) a 90° / N ou S
  • semi-circulo – meridiano – longitude – 0 (Greenwich) a 180° / E ou W
  • Co-Latitude: quanto falta para formar 90° (não inverte hemisfério)
  • Anti-meridiano: quanto falta para formar 180° (inverte hemisfério)

Pontos cardeais

  • Norte (N) – 0 º / 360º
  • Sul (S) – 180 º
  • Leste (E) – 90 º
  • Oeste (W) – 270 º

Pontos Colaterais

  • Nordeste (NE) – 45º
  • Sudeste (SE) – 135 º
  • Sudoeste (SW) – 225º
  • Noroeste (NW) – 315 º

Definições

  • Proa: ângulo formado entre o meridiano e o eixo longitudinal da aeronave (pra onde o nariz da aeronave aponta);
  • Rumo: ângulo formado entre o meridiano e a linha de rota (sentido de voo);
  • Rota: trajetória (caminho percorrido ou a percorrer)
  • Declinação Magnética (DMG): Diferença entre norte verdadeiro e norte magnético

Fusos horários

  • Movimento aparente do sol é de leste (E) para oeste (W) com a duração de 24 horas
  • Pode-se dividir o cinturão terrestre em 360° por 24 horas do dia, cada hora ou para cada faixa de fuso temos 15° de longitude.
  • Hora Universal (UTC): hora adotada na faixa de fuso horário do meridiano de Greenwich.
  • Hora Legal (HLE): hora oficial, adotada em toda uma faixa de fuso horário.

METEOROLOGIA

Atmosfera

Camada de ar que envolve um planeta

Proporção de gases:

  • Nitrogênio = 78%
  • Oxigênio = 21%
  • Outros gases = 1%
  • Vapor d’água = 4%; acima deste valor a água condensa (água passa do
    estado gasoso para o líquido) – limite de saturação.

Instrumentos

  • Termômetro: mede a temperatura
  • Higrômetro: mede a UR (Umidade Relativa)
  • Barômetro: mede a pressão do ar
  • Anemômetro: mede a intensidade/direção do vento

Camadas da atmosfera

  • Troposfera: É onde ocorrem os principais fenômenos meteorológicos; Nela se desenvolvem os voos da aviação em geral; Gradiente Térmico: 2°C/1000 pés.
  • Tropopausa: Camada de transição; isotermia (Gradiente térmico nulo).
  • Estratosfera: Camada onde tem início à difusão da luz; Nela está a Camada de Ozônio, onde se filtra a radiação ultravioleta;
  • Ionosfera: Também chamada de Termosfera; Excelente condutora de eletricidade (presença de íons, devido raios X, UV e g) e Reflete ondas de rádio;
  • Exosfera: Mudança gradativa da atmosfera terrestre para o espaço interplanetário.

Propagação de calor

  • Radiação: Não necessita de meio material. O calor é transferido por radiação eletromagnética.
  • Condução: É a transferência de calor molécula a molécula em meios sólidos (contato direto)
  • Convecção: Transferência de calor pelo movimento vertical das massas de ar. O ar mais quente (menos denso) sobe dando lugar ao ar mais frio (mais denso). O Sol esquenta a Terra por radiação, e assim, o solo aquecido da Terra aquece o ar logo acima dele por convecção.
  • Advecção: Transferência de calor pelo movimento horizontal das massas de ar. É o transporte de calor pelo vento. Sempre que há convecção há advecção do ar frio que vem ocupar o lugar do ar quente que sobe.

Pressão atmosférica

Peso do ar sobre a superfície terrestre (medida em hPa/hectopascal); quanto maior a altitude, menor a pressão.

Ventos

  • Deslocam-se da região de ALTA pressão para a de BAIXA pressão.
  • Medimos o vento em DIREÇÃO (em graus) e INTENSIDADE (em kt).

Nuvens

Formam-se devido à redução de temperatura e aumento de vapor d’água; condensação de água

Três níveis (e 10 tipos):

  • Baixo: Stratus, Stratocumulus, Cumulus, e Cumulonimbus.
  • Médio: Altocumulus, Altostratus e Nimbostratus.
  • Alto: Cirrus, Cirrostratus e Cirrocumulus. (formadas de cristais de gelo)

Classificação por desenvolvimento:

  • Estratiformes: Formam-se em uma atmosfera mais estável; Desenvolvimento horizontal; Cobrem grandes áreas e pouca espessura; Precipitação leve e contínua.
  • Cumuliformes: Desenvolvimento vertical. Isoladas. Pancadas de chuva fortes e localizadas.

Redução de visibilidade

Nevoeiros:

  • Visibilidade menor que 1000m.
  • Favorecem a formação de nevoeiros: Ventos fracos ou nulos na superfície; Umidade relativa do ar alta; Baixa temperatura.

Névoa:

  • Visibilidade maior que 1000 metros
  • Névoa seca (UR<80%) ou úmida (UR>80%)

Turbulência

Causada por instabilidade no fluxo de vento, instantâneas e irregulares ou por movimentos verticais do fluxo de ar.

Tipos:

  • Mecânica ou de Solo
  • Convectiva ou Térmica
  • Orográfica
  • De céu claro (CAT)
  • Frontal
  • Cortante de vento (windshear)
  • Na trilha de aeronaves

Meteorologia sinótica (grande escala)

Frente fria:

  • Ventos mais fortes e associados a nuvens de desenvolvimento vertical, trovoadas e pancadas de chuva.
  • Antes da passagem da FF, a pressão atmosférica cai e a temperatura aumenta.
  • Depois da passagem da FF a pressão atmosférica aumenta e a temperatura cai.

Frente quente:

  • Mais amena e associada às nuvens do tipo estratiforme e à estabilidade atmosférica.
  • Desloca-se com velocidade menor que uma FF.

Trovoada

Fenômeno meteorológico relativo ao estágio final de desenvolvimento de uma Cumulus Nimbus (CB). Dividida em três estágios:

  • Cumulus (Correntes ascendentes)
  • Maturidade ou Madureza (Ventos de rajada, relâmpagos e precipitação intensa)
  • Dissipação

Gelo

Gelo opaco, amorfo ou escarcha:

  • Aspecto é opaco e disforme;
  • Forma-se em ar estável em nuvens estratiformes, sem turbulência;
  • Deforma os bordos de ataque mas é de fácil remoção;
  • Forma-se pelo congelamento instantâneo de pequenas gotículas super resfriadas.

Gelo claro ou cristal:

  • Brilhante e translúcido;
  • É o tipo mais perigoso;
  • Forma-se em ar instável, em nuvens cumuliformes com turbulência;
  • Adere fortemente à aeronave sendo pesado e de difícil remoção;
  • Formado pelo congelamento lento de grandes gotas super resfriadas.