Salesópolis

A Estância Turística de Salesópolis fica no limite leste da região metropolitana de São Paulo, sendo conhecida como “berço do Tietê” por abrigar as nascentes desse rio. Município desde 1857, seu nome foi uma homenagem ao então presidente Campos Sales. Natureza, história e gastronomia, com destaque ao suco de cambuci, aliadas à simplicidade e simpatia dos moradores, encantam os visitantes da cidade. Confira as principais atrações!

Represa do Rio Claro, com barragem da Ponte Nova à esquerda. Foto: ViniRoger

Parque Nascentes do Rio Tietê

Possui algumas das nascentes do rio Tietê, que se juntam a outros afluentes para seguir por mais de mil quilômetros até sua foz, no rio Paraná. Suas águas limpas nem parecem ser do mesmo rio que corta a região metropolitana e recebe uma grande carga de poluição. Possui também um pequeno museu e trilhas de terra batida (duas pequenas e uma maior) em mata fechada. A Mata Atlântica nativa permanece bem preservada se comparada ao entorno, que está cheio de plantações de Eucalipto (a celulosa e a lenha são as principais fontes de renda da região).

Nascente e vertedouro do rio Tietê. Fotos: ViniRoger

O parque é acessível por uma estrada de terra de 6 km que parte da SP-088. Para quem vem de Mogi, é possível ver placas de madeira indicando o início da estrada, logo depois da divisa com Paraibuna. É administrado pelo DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo) – mais informações no link.

Museu da Energia (Usina Parque)

Abriga uma usina hidrelétrica inaugurada em 1913 recém restaurada, que deve suprir de energia uma parte da cidade com 2,5 MW. Subindo um pouco, está uma casa antiga com um museu interativo temático de energia e também a Sala Espaço das Águas, com atividades voltadas ao meio ambiente. Subindo uma escadaria de 246 degraus paralela à cachoeira dos Freires (de 75 metros), atinge-se o reservatório com vista panorâmica da região.

Prédio da Usina e cachoeira (água vertendo porque comportas estavam fechadas para manutenção da usina). Foto: ViniRoger

O local é acessível por uma estrada de terra de 6 km que parte da cidade. Para quem vem de Mogi, existem placas indicando o caminho logo após o Portal de Entrada da cidade (uma outra atração turística). É administrado pela Fundação Energia e Saneamento, juntamente com outros museus de energia no Estado – mais informações no link.

Barragem da Ponte Nova

Finalizada em 1972, atua na formação de um dos reservatórios de água do Alto Tietê. Em um morro localizado numa das pontas da barragem, está o radar meteorológico (o modelo METEOR 600 S substituiu o antigo em uma nova torre, inaugurado em 2014). Fazendo uso do efeito doppler e de dupla polarização, ele pode detectar granizo, chuva, chuvisco e até nuvens sem precipitação em um raio de 240 km com 250 m de resolução. Administrado pela FCTH (Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica) e DAEE, atua em auxílio ao SAISP (Sistema de Alerta a Inundações do Estado de São Paulo).

Barragem de Ponte Nova e Radar Meteorológico. Fotos: ViniRoger

O local tem acesso restrito, cuja portaria encontra-se em estrada de terra que sai da SP-088 (uma placa e um marco branco de concreto indicam a saída, perto da divisa com Biritiba-Mirim).

Casarão do café

Construído no começo do século, o sítio possui a casa dos moradores e uma construção que era usada para armazenar o café, que era seco no pátio em frente, mas que agora abriga um pequeno museu e uma lojinha de comidas feitas no local. Também conta com uma roda d’água que gira um moinho de cana de açúcar e uma trilha que leva ao rio Paraitinga.

Casarão do café. Fotos: ViniRoger

A entrada se dá por um portão com uma placa na frente, entre a estrada para o Parque das Nascentes e a Senzala.

Senzala

Apesar do nome, o lugar era um ponto para troca de mercadorias (inclusive escravos) e descanso para os comerciantes da época, que cruzavam a região de Salesópolis para chegar até o litoral. Sua construção de pau a pique e taipa de pilão, assim como alguns utensílios antigos, foram preservados e podem ser vistos.

Senzala. Foto: ViniRoger

Aos domingos, funciona um restaurante atrás do casarão. O preço é o mesmo do restaurante Nhá Luz: um casarão com aspecto antigo que fica na mesma estrada, perto da entrada para a estrada da Petrobrás. Os dois são especializados em comida caseira típica do interior paulista.

Cachoeira da Porteira Preta

Formada por duas pequenas quedas d´água (interligadas por uma trilha de 200 metros) e uma piscina natural, costuma lotar aos finais de semana. Fica às margens da rodovia sentido Litoral, um pouco antes da nascente do Rio Tietê. Tem um bar/restaurante, banheiros e dois estacionamentos próximos – procure pelas placas dos estacionamentos, não costuma ter placa de indicação da cachoeira. Por ser uma área particular, deve-se pagar uma entrada em dinheiro.

Parque do Pinheirinho

Muita vegetação, uma queda d’água e uma praia artificial.

Mirante da Torre

Vista panorâmica da cidade. Fica na Estrada das Mirandas, onde estão situadas torres de transmissão de TV.

Igreja Matriz de São José

Inaugurada em 1911, apresenta estilos variados de afrescos e pinturas.

Como chegar

Chalés duplos da Estância Caminho das Nascentes. Foto: ViniRoger

Partindo da capital paulista, é possível chegar ao município através de Mogi das Cruzes e Biritiba Mirim (SP-088); do Vale do Paraíba, pode-se ir via Jacareí e Santa Branca (SP-077) ou pela Rod. dos Tamoios, saindo em Paraibuna – também existe a estrada da Petrobrás (de terra) que liga a cidade à Caraguatatuba, no litoral norte.