Gloster Meteor

A Gloster Aircraft Company foi criada na cidade de Hucclecote, Gloucester, Reino Unido, em 1915 como Gloucestershire Aircraft Company. Em 1926 o nome da companhia foi abreviado para Gloster, pois os clientes de fora do Reino Unido consideravam o nome muito difícil de pronunciar. A empresa produziu os aviões Grebe, Gladiator, Meteor e Javelin e os Hawker Hurricane e Typhoon. Em 1961, fundiu-se com a Armstrong Whitworth para criar a Whitworth Gloster Aircraft, que passou a ser um divisão do grupo industrial britânico Hawker Siddeley Aviation. Dois anos depois, a marca Gloster foi extinta e passou a usar apenas a marca Hawker Siddeley.

Gloster Meteor F-8 matrícula FAB 4409 (pintura ovo estrelado em azul) exposto no Museu Eduardo Matarazzo. Foto: ViniRoger
Gloster Meteor F-8 matrícula FAB 4409 (pintura ovo estrelado em azul) exposto no Museu Eduardo Matarazzo. Foto: ViniRoger

O Gloster Meteor foi o primeiro avião de caça a jato britânico e o único dos Aliados a entrar em ação antes do fim da Segunda Guerra Mundial. Os primeiros 7 das 20 unidades do Gloster Meteor F-1 encomendados pela RAF foram entregues nos primeiros dias de Julho de 1944. No dia 27 do mesmo mês, foram testados na caça às bombas voadoras alemãs V-1, sobre o Canal da Mancha, com relativo êxito.

O Gloster Meteor é um bimotor turbo-jato, monoplano de asa baixa, de construção inteiramente metálica. Tinha comprimento de 14,8 metros, podia alcançar a velocidade de 960 km/h e levava quatro canhões na estrutura externa, alimentados por cintos de munição acondicionados em depósitos dentro do compartimento de munição.

Gloster Meteor F-8 matrícula FAB 4442 (pintura ovo estrelado em vermelho) exposto no Museu Eduardo Matarazzo. Foto: ViniRoger
Gloster Meteor F-8 matrícula FAB 4442 (pintura ovo estrelado em vermelho) exposto no Museu Eduardo Matarazzo. Foto: ViniRoger

Foram fabricados 3.947 unidades do Gloster Meteor que permaneceram em produção até 1954. Teve diferentes versões e foi utilizado pelas forças armadas de vários países, como Argentina, Bélgica, Brasil, França, Egito, Israel, Síria e Suécia. A versão F-8 (ou MK-8) teve a introdução do assento ejetável em 1948, fuselagem mais longa, maior capacidade de combustível e cauda modificada. Obs: a letra F na Força Aérea indica avião de caça na Força Aérea.

No Brasil, os primeiros modelos foram negociados em 1953 para utilização pela FAB (Força Aérea Brasileira). Fabricados na Inglaterra, foram importados 70 aviões desse modelo (10 para treinamento e o restante para combate). Chegaram de navio e foram montados na Fábrica do Galeão (Rio de Janeiro), onde atualmente funciona o Parque de Material Aeronáutico no Galeão (PAMA-GL). O PAMA é uma unidade da Força Aérea Brasileira responsável pela manutenção de aeronaves. Existem outras unidades em Lagoa Santa, Recife, São Paulo e Campo dos Afonsos (RJ).

Durante os anos 1970, os F-8 foram desativados e substituídos pelos Xavante (AT-26) da Embraer. Aos poucos, foram distribuídos para museus e praças (veja a localização de alguns com sua matrícula FAB):

Gloster Meteor F-8 matrícula FAB 4452 (pintura ovo estrelado em vermelho) exposto na entrada do CINDACTA II em Curitiba/PR. Foto: ViniRoger
Gloster Meteor F-8 matrícula FAB 4452 (pintura ovo estrelado em vermelho) exposto na entrada do CINDACTA II em Curitiba/PR. Foto: ViniRoger

Existia um F-8 na Praça do Avião em Goiânia/GO (4411), mas foi depredado por vândalos e encaminhado para o MUSAL para restauro (veja um exemplar equivalente no site do MUSAL).

Gloster Meteor T.MK.7 (TF-7) montado na Fábrica do Galeão e exposto no Museu Aeroespacial. Foto: ViniRoger
Gloster Meteor T.MK.7 (TF-7) montado na Fábrica do Galeão e exposto no Museu Aeroespacial. Foto: ViniRoger

Uma lista de aviões “sobreviventes” também pode ser vista no site Rudnei Cunha (História da Força Aérea Brasileira, na parte de aeronaves, está nas partes III e IV) e Wikiwand (que tem listas de outros lugares do mundo com mais aviões desse tipo).

Fontes: Wikipedia (Gloster Aircraft Company e Gloster Meteor)