Super Lua

O termo “super Lua” foi cunhado em 1979 pelo astrólogo norte americano Richard Nolle, que ficou registrado na Enciclopaedia Britannica como uma Lua cheia ou nova que ocorre quando a Lua está no perigeu (dentro de 10% de sua posição). Note que aí estão dois conceitos astronômicos a serem considerados para compreender essa nomenclatura.

Lua cheia

A Lua cheia é definida como a fase da Lua quando o disco lunar é totalmente iluminado e visível à noite, pois ela se opõe ao Sol em relação à Terra. Como o movimento da Lua ao redor da Terra e o da Terra ao redor do Sol são contínuos, essa condição dura somente algumas horas, devendo haver somente uma noite de Lua cheia. Na noite anterior e na noite seguinte, por volta de 98-99% do disco lunar está iluminado; 2 dias antes ou depois, aparece 95-96% da Lua.

Para evitar esse preciosismo em uma diferença que não é visível a olho nu, define-se (conforme a Wikipedia) a Lua cheia como tendo entre 97-100% de visibilidade do disco lunar. Conforme a área iluminada vai diminuindo, a fase da Lua muda: entre 60-96% é Lua minguante convexa, entre 40-59% é Lua quarto minguante, entre 3-39% é Lua minguante (ou minguante côncava) e 0-2% é Lua nova. Quando a área iluminada começa a aumentar, recebe respectivamente os nomes de Lua crescente (ou crescente côncava), Lua quarto crescente e Lua crescente convexa.

Calendário lunar. Fonte: Calendário 365

Nas tabelas astronômicas, é comum aparecer como “Lua cheia” o dia e horário do ponto máximo de iluminação do disco lunar. Por exemplo, o site fourmilab apresenta os cálculos de Lua cheia e Lua nova para vários anos. Em 2018, as primeiras luas cheias do ano foram dias 2 de janeiro às 2:25 UTC e dia 31 de janeiro às 13:28 UTC.

Obs.: UTC é a hora universal; o horário de Brasília tem 3 horas a menos que ele ou 2 a menos se estiver com horário de verão.

Perigeu

O ponto da órbita lunar no qual a Lua está mais próxima da Terra é chamado de perigeu – apogeu é o ponto no qual a Lua está mais afastada. Justamente por ser um ponto, o perigeu corresponde a um instante, sendo previsto em tabelas astronômicas com precisão de segundos. A distância refere-se aos centros da Terra e da Lua, com precisão de quilômetros. Ainda no site fourmilab , é possível ver os dias e horários dos perigeus e apogeus, além da distância entre os astros. Dentre os “perigeus” de 2018, o que tem a menor distância entre a Terra e a Lua é o de 1º de janeiro, às 21:56 UTC: 356.565 km.

Ainda na tabela desse site, ele indica se o perigeu/apogeu está próximo a um horário de Lua cheia (F, de “Full Moon”) ou nova (N, de “New Moon”), além de dar a diferença de tempo para essa fase lunar e se acontecerá antes (-) ou depois (+).

Gráfico da distância entre Lua e Terra em função do tempo, com marcação de fases da Lua. Fonte: Wikimedia

Super Lua

Uma grande coincidência seria a Lua Cheia acontecer no exato instante do perigeu (ou seja, aquela coluna com a diferença de tempo entre a posição e a fase da Lua estar zerada). Isso aconteceu em 10 de agosto de 2014 e acontecerá novamente em 25 de novembro de 2034. Por isso, a definição de Super Lua já admite uma tolerância de 10% em sua posição. Essa diferença corresponde a 65,52 horas (10% de 27,3 dias, que é o tempo que a Lua demora para dar uma volta na Terra) ao redor do perigeu, o que dá 32,76 horas (1d 8h 45min 36s) para mais ou para menos.

Observando-se a tabela para os perigeus em Lua cheia para 2018, temos 6 ocorrências. Dessas, somente as duas primeiras possuem diferença entre os pontos máximos de Lua cheia e do perigeu menor que o valor de tolerância apontado na definição de Super Lua: 1º de janeiro às 21:56 (com Lua cheia acontecendo 4h depois) e 30 de janeiro às 9:55 (pico da lua cheia 1 dia e 3 horas depois). Considerando essa diferença e que o Lua cheia pode durar até 1 noite antes e depois desse pico, aí podemos considerar esses eventos como Super Lua.

Nesse caso de janeiro de 2018, a Super Lua também pode ser chamada de Lua Azul, pois é a segunda lua cheia do mês (não, ela não fica mais azul, é só o nome mesmo), e também de Lua Sangrenta (aí sim, ela fica avermelhada), pois acontece junto com um eclipse solar (não visível do Brasil). Mais informações no site da NASA.

A super Lua realmente fica grande no céu?

Quanto à maior aproximação da Lua com relação à Terra, a Lua vai parecer um pouco maior do que de costume, mas não é uma diferença de tamanho e de brilho perceptível a olho nu. Aquelas fotos com uma Lua gigante geralmente são feitas quando o astro está próximo ao horizonte, nos levando a crer que é maior por uma ilusão de óptica.

Foto de super Lua (esquerda) e a menor Lua do mesmo ano (direita). Fonte: Museum Victoria (Austrália)

No texto “Why all the super-buzz about the supermoon?“, é proposto um interessante teste de comparação do tamanho aparente da Lua no céu (tradução livre):

“Estique o braço na frente de você e agora erga o dedo mindinho. A largura do seu dedo é de cerca de 30 minutos de arco, o que é aproximadamente o tamanho da lua cheia. Em noite de super Lua, ela será 4 minutos de arco maior que a Lua cheia mais distante do ano. Isso é como comparar a largura do seu dedo com a largura da unha. Claro, é maior, mas vale a pena todo o barulho?”

Coloque seu dedo mindinho sobre a Lua para medir e você notará que não muda de tamanho à medida que ele se move mais alto no céu. Veja algumas possíveis explicações para a ilusão de óptica que nos faz pensar que a Lua aparece maior quando está perto do horizonte:

Mais informações no post Movimentos da Lua.