Roma

Localizada na região do Lazio, Roma é a capital da Itália. A cidade está na porção centro-ocidental da península itálica, cortada pelo rio Tibre. A história de Roma abrange mais de dois mil e quinhentos anos, desde a sua fundação lendária, passando pelos tempos do Império Romano, domínio dos papas e da Igreja Católica na Idade Média e unificação da Itália. É a única cidade no mundo que tem em seu interior um país inteiro, o enclave do Vaticano.

Coliseu (parte externa e interna). Fotos: ViniRoger.

Coliseu (parte externa e interna). Fotos: ViniRoger.

História

Segundo a tradição, Roma teria sido fundada no ano de 753 a.C. por Rômulo, seu primeiro rei, e o seu irmão Remo. Conta a lenda, que Rômulo e Remo, eram filhos do deus grego Ares, ou Marte seu nome latino, e da mortal Réia Sílvia (ou Rhea Silvia), filha de Numitor, rei de Alba Longa. Amúlio, rei tirano e irmão do rei Numitor, ao saber do nascimento das crianças as jogou no rio Tibre. A correnteza os arremessou à margem do rio e foram encontrados por uma loba, que teria os amamentado e cuidado deles até que estes foram achados pelo pastor Fáustulo, que junto com sua esposa os criou como filhos. Veja mais sobre a lenda de Rômulo e Remo clicando no link.

No começo foi governada por reis mas tornou-se uma República em 509 a.C.. A cidade cresceu e, no final da República, Roma era a capital de um vasto império em volta do Mar Mediterrâneo. Com o fortalecimento do cristianismo do rei, no século III d.C., o Bispo de Roma (que mais tarde passaria a ser chamado de Papa) tornou-se a maior autoridade religiosa na Europa Ocidental. A partir de meados do século III, com o começo das migrações dos povos bárbaros para o interior das fronteiras do império,15 e que eventualmente invadiriam por várias vezes a cidade, registrou-se um fluxo de habitantes da cidade para o campo.

A cidade de Roma estaria em mãos bárbaras (e apoiada economicamente e politicamente pelo Império Bizantino) por pelo menos mais quatro séculos até que, em 756, Pepino III, o Breve, derrotou os Lombardos, devolvendo a Roma sua autonomia. Roma passaria a ser capital dos Estados Pontifícios até 1870, onde o Papa era a autoridade máxima do Estado.

Numa série de acontecimentos sem precedentes em toda a península itálica, Roma tornou-se a capital da nova Itália unificada de Giuseppe Garibaldi, em 1871. Em 11 de fevereiro de 1929, Benito Mussolini estabeleceu, numa série de acordos com o Papado, o Estado independente do Vaticano, cedendo um pedaço de 0,44 km² no seio da cidade a este novo país. Durante a Segunda Guerra Mundial, Roma sofreu pesados bombardeamentos e foi também o palco de várias batalhas. Nos anos que se seguiram à guerra, a cidade foi palco de crescimento acelerado.

Atrações turísticas

A subdivisão administrativa de Roma consiste na divisão do território da comuna de Roma em 19 sub-comunas, designados municípios, numerados de I a XX (em numerais romanos, lógico), e dentro estão os bairros. O município XIV foi dissolvido, enquanto, mediante votação popular, Fiumicino adquiriu o estatuto de comuna autônoma – nele está o Aeroporto Internacional Leonardo da Vinci. Possui outros dois aeroportos: Giovan Battista Pastine, ao longo da Via Ápia e da vila de Ciampino (civil low-cost e militar) e o aeroporto da Urbe, a 6 km do centro, ao longo da Via Salária, que atualmente se encontra fechado à aviação civil.

O Fórum Romano (clique no link para ver um mapa com as atrações) foi o centro da cidade durante o Império Romano, onde funcionavam a vida comercial e os tribunais. Muitas das atrações estão próximas, como (no vídeo acima tem algumas delas):

  • Coliseu – Construído no ano de 72 d.C pelo imperador Vespasiano, foi utilizado para realizar combates de gladiadores, lutas de animais, execuções, batalhas navais, caçadas, etc.
  • Arco de Constantino – Situado entre o Coliseu e o Palatino, foi construído para comemorar a vitória de Constantino sobre Maxêncio na Batalha da Ponte Mílvio, 312 d.C.
  • Palatino – Uma das sete colinas de Roma, é uma das partes mais antigas da cidade. Segundo a lenda, Roma teve origem exatamente nessa colina. Foi sede das residências dos aristocratas (época republicana) e imperadores (período imperial) de Roma.
  • Circo Massimo – Arena muito antiga usada para jogos e entretenimento pelos reis etruscos. Depois do século II a.C., começou a ser utilizada também para festivais, corridas de bigas, batalhas navais, combates entre gladiadores, entre animais, martírios de cristãos e chegou a ter capacidade para até 250.000 espectadores.
  • Fórum e Mercado de Trajano – Foi o último (cronologicamente) dos fóruns imperiais da Roma Antiga. O Mercado de Trajano é considerado o primeiro shopping center da história.
  • Piazza del Campidoglio – desenhada por Michelangelo em 1536. No centro está a estátua equestre de Marco Aurélio. O monte capitolino é uma das sete colinas de Roma e é onde se situa a sede oficial do prefeito da cidade.
  • Bocca della Verità – máscara de mármore com a boca aberta que fica no vestíbulo da igreja Santa Maria in Cosmedin. Na Idade Média, era usada pelos maridos para saberem se suas esposas lhes eram fiéis ou não. Eles levavam suas respectivas mulheres até a Boca da Verdade e as obrigavam a colocarem suas mãos dentro dela, se tivessem sido infiéis, diz a lenda, a boca se fecharia decepando as suas mãos.
  • Isola Tiberina – Ilha em forma de barco localizada bem no meio do rio Tibre (Tevere), no centro de Roma. Dois terços da ilha é ocupado pelo hospital Fatebenefratelli e em frente a ele está a Basílica de San Bartolomeo.
  • Piazza Venezia – Umas das mais famosas praças romanas, onde se encontra o Vittoriano, monumento dedicado ao rei Vittorio Emanuele II e que abriga o corpo de um Milite Ignoto (soldado desconhecido) da Primeira Guerra Mundial representando todos os soldados que não puderam ter um túmulo com seus nomes. Na parte superior do Vittoriano se encontra o Museo Centrale del Risorgimento.
Piazza Venezia. Foto: ViniRoger.

Piazza Venezia. Foto: ViniRoger.

Os ingressos também podem ser comprados nos sites Roma Pass e Coop Culture. Andando no sentido do Vaticano, ainda tem mais atrações:

Panteão (parte interna e externa). Fotos: ViniRoger.

Panteão (parte interna e externa). Fotos: ViniRoger.

  • Panteão – Concebido para ser um templo pagão, já foi convertido em igreja no século 7. Ostenta uma abertura na enorme cúpula de concreto de 44 metros de diâmetro, o oculus, que permite a passagem da luz do Sol.
  • Piazza Navona – No tempo da antiga Roma, a Piazza Navona era um estádio, construído pelo imperador Domiziano, para a competição entre atletas. Sucessivamente, a praça era alagada, quase sempre durante o mês de agosto, para espantar o calor. Por isso, algumas lendas contam que a praça foi palco de batalhas navais. Bem ao centro da praça está a Fontana dei Quattro Fiumi (Fonte dos Quatro Rios) e, ao redor, existem vários artistas que expõem e vendem seus trabalhos. Em um dos lados da Piazza Navona situa-se o Palazzo Pamphilj, sede da embaixada brasileira em Roma – o governo brasileiro comprou o imóvel em 1960.
  • Castelo de Sant’Angelo – Também conhecido como Mausoléu de Adriano (imperador), já foi usado como edifício militar na época do Império Romano, como fortaleza dos papas no período medieval e como prisão na época dos movimentos para unificação da Itália. A ponte Sant’Angelo, sobre o rio Tibre, é ornada por doze estátuas de anjos.
Castel Sant' Angelo. Foto: ViniRoger.

Castel Sant’ Angelo. Foto: ViniRoger.

Nas redondezas, ainda tem as seguintes atrações:

  • Piazza di Spagna – com casas em tons rosados, esplêndida escadaria e a charmosa fonte em forma de barco, a Barcaccia.
  • Fontana di Trevi – Inaugurada em 1735, marca o ponto final do Acqua Vergine, um dos mais antigos aquedutos de Roma. Com suas esculturas de figuras mitológicas, foi eternizada no filme La Dolce Vita, de Federico Fellini.
  • Villa Borghese – Situado na colina Pinciana, é o terceiro maior parque da cidade com 80 hectares. Era a casa de recreio que o Cardeal Scipione Borghese mandou construir na periferia de Roma e onde reuniu a sua coleção de obras de arte (Galleria Borghese que abriga obras de Gian Lorenzo Bernini, Caravaggio, Leonardo da Vinci, Raffaello, Rubens, Tiziano, etc.).
  • Palazzo del Quirinale – Residência oficial do Presidente da República Italiana, encontra-se numa das sete colinas de Roma: colina Quirinale. Até 19870 foi a residência de verão do Papa e depois passou a ser o palácio real dos Savoia até 1946. O obelisco que se encontra na Piazza del Quirinale foi trazido do Egito para Roma no primeiro século d.C., provavelmente, na época do imperador Domiciano.
  • Termas de Caracalas – Uma das maravilhas da Roma antiga, foram construídas pelo imperador Caracalla em 212-217 d.C. e podiam abrigar mais de 1500 pessoas.
  • Catacumbas – As mais famosas (como a de São Calixto) estão localizadas na Via Appia Antiga. São locais que serviam de cemitério subterrâneo aos primeiros aderentes do cristianismo. Conta-se que vinte mil pessoas estão enterradas lá em cerca de cinco andares abaixo da terra e mais de 20 Km de corredores.
Catacumbas de São Calixto. Fotos: ViniRoger.

Catacumbas de São Calixto. Fotos: ViniRoger.

Veja mais detalhes e atrações no site Dicas de Roma. Você também pode ver as atrações através de um city-tour pela cidade, que também passa no Vaticano (clique no link para saber mais sobre esse país). Segue link para o vídeo do Nerdtour na região. Caso vá de carro, veja a zona de tráfego limitado da cidade e outras particularidades no post Dirigindo na Itália.

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.

Um Pingback/Trackback