Por quê fazer terapia de casal?

Por Maria Auxiliadora Roggério

Ninguém nasce para viver sozinho. Quando nascemos, necessitamos da mãe ou de alguém que exerça essa função para nos desenvolvermos e iniciarmos a socialização. Depois, parentes, vizinhos, professores, colegas de escola, colegas de trabalho, pessoas da comunidade, entre outros.

A vida em sociedade nos traz benefícios e dissabores. Assim vamos estabelecendo relacionamentos e nos constituindo. Saber conviver com as pessoas à nossa volta de forma harmoniosa é um trabalho constante em nosso desenvolvimento que requer olhar o outro como uma pessoa diferente de nós e que merece ter suas opiniões e modo de vida respeitados.

Num relacionamento a dois, além da questão afetiva, muitos fatores estão envolvidos e, conviver com outra pessoa pode tornar-se algo muito difícil.

Compartilhar problemas cotidianos e dificuldades pessoais pode desgastar a vida de um casal e transformar aquela promessa de felicidade e realizações em conjunto do início do relacionamento em algo inatingível. Qualquer desentendimento vai se somando e fazendo com que o casal se distancie e questione o futuro da relação.

Quando surgem os problemas na relação e os parceiros não conseguem dialogar e obter certo equilíbrio; quando os parceiros não se sentem felizes na união e não sabem como findar essa insatisfação; quando os parceiros não conseguem se ajudar, pode ser o momento de procurar por uma psicóloga e realizar uma terapia de casal.

Muitos fatores contribuem para o surgimento de crises no relacionamento amoroso. As crises mais comuns geralmente estão relacionadas a queixas de ciúmes, infidelidade, problemas sexuais, diferentes visões de mundo e projetos pessoais, dificuldades de comunicação, desrespeitos à individualidade de cada um, medo de ser abandonado(a) ou trocado(a) por outro(a), problemas cotidianos individuais ou do casal, desentendimentos quanto à educação dos filhos, rotina, nova maneira de enxergar o relacionamento, tédio…

Alguns eventos também levam o casal a procurar ajuda com uma psicóloga e iniciar uma terapia em casal:

  • O próprio início do relacionamento a dois;
  • Nascimento do primeiro filho ou a impossibilidade de serem pais;
  • Divergência na educação de filhos ou sentimento de incapacidade de serem bons pais;
  • Saída dos filhos de casa;
  • Doenças na família;
  • Situações no trabalho;
  • Aposentadoria.

A maioria dos casais que passam por dificuldades, não aceitam a ideia de fazer terapia. Em geral, consideram que o conflito na relação dá-se por “culpa do(a) parceiro(a)”- “se ela não fosse assim”; “se ele não me fizesse isso…”; “ela já me conheceu assim”; “ele não me dá a atenção que mereço”; etc. – e temem ser apontados como o responsável pela crise. No entanto, a terapia de casal é centrada no relacionamento conjugal e o papel do psicólogo não é julgar ou apontar quem é vilão ou quem é vítima, mas, sim, ouvir e auxiliar a ambos a pensar e a dialogar sobre o que não está bom entre eles e o que há de bom na união, tornando possível uma relação autêntica.

A psicóloga pode ajudar a fortalecer vínculos e a encontrar uma forma harmoniosa de se relacionar, mas, do mesmo modo como existe a possibilidade de o relacionamento equilibrar-se e os laços fortalecerem-se, pode ser que os parceiros reconheçam que o melhor para ambos pode encontrar-se na separação. Então, embora haja sofrimento inevitável, esta solução pode não ser traumática, porque os envolvidos puderam refletir e redirecionar seus afetos e desejos.

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.