Passeio de trólebus em São Paulo

Existe uma linha de ônibus em São Paulo cujo trajeto a transforma praticamente em um city tour do centro histórico de São Paulo. Além disso, essa linha é feita por um ônibus elétrico, o trólebus, tornando a viagem mais limpa e silenciosa. Conheça mais sobre o trólebus e a linha 4112/10. (com esse post, espero não fazer uma apresentação como a do vídeo Comer e Beber na USP, feito pelo Caneca, O Canal da ECA rsrs)

Trólebus

O trólebus é um ônibus movido a eletricidade gerada fora do veículo, tipicamente transmitida por cabo aéreo suspenso sobre o seu trajeto (catenária). A energia chega aos veículos através de hastes (denominadas tecnicamente como alavancas), que ficam sobre a carroceria, em permanente contato com a fiação específica que acompanha o percurso. É similar aos ônibus convencionais, pois roda por meio de pneus de borracha sobre pavimento rodoviário normal e não por meio de rodas metálicas sobre trilhos, como o fazem a maioria dos veículos elétricos (como trens ou bondes). Os trólebus têm parte de sua estrutura elétrica baseada nos bondes que nos Estados Unidos são conhecidos como trolleys, daí o nome trólebus.

O Sistema Municipal de Trólebus de São Paulo é o mais antigo desta categoria de veículos no Brasil. Inaugurado em 1949, o primeiro protótipo brasileiro, com um índice de nacionalização de 85% do custo, foi construído pela Villares em 1958 e entregue à CMTC (Companhia Municipal de Transportes Coletivos, privatizada em 1993), recebendo o prefixo 6007. Outras empresas posteriormente acompanharam a iniciativa, dentre as quais a Massari e Mafersa. A própria CMTC encarregou-se de reformar alguns veículos no final dos anos 1960. Também existem trólebus nos corredores de ônibus da EMTU-SP (região sul de São Paulo e ABCD) e uma linha em Santos (SP).

Passeio

A linha 4112/10 (Santa Margarida Maria – Praça da República) é circular, sendo o ponto de saída (e retorno) próximo da Paróquia Santa Margarida Maria, ao lado do Cemitério Israelita da Vila Mariana, primeiro cemitério comunitário judaico de São Paulo. No início do século XX, o local era um sítio da família Klabin, que servia como sinagoga para as grandes festas, mas a partir de 1923 deu lugar à formação da necrópole. Dentre os pontos turísticos estão:

  • Bairro da Liberdade, decorado com luminárias e arquitetura típicas do oriente;
  • Praça da Sé, com sua imponente e histórica Catedral;
  • Caixa Cultural, espaço para exposições e manifestações artísticas, de fachada imponente;
  • Pateo do Collegio, onde foi levantada a primeira construção da atual cidade de São Paulo;
  • Mosteiro de São Bento, onde hospedou-se o Papa Bento XVI e que ainda possui o coro para o ofício divino em rito monástico rezado diariamente pelos monges e a missa em rito romano, ambos com canto gregoriano;
  • Edifício Altino Arantes (conhecido como prédio do Banespa), cujo projeto inicial foi alterado para fazê-lo à semelhança do Empire State Building, em Nova Iorque;
  • Largo São Francisco, onde se localizam a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo e a Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, além da Igreja São Francisco e a Igreja da Ordem Terceira da Penitência;
  • Vale do Anhangabaú, uma extensa laje – configurada como calçadão – sobre um entrocamento rodoviário e o rio Anhangabaú, constituindo um vão livre com paisagismo próprio e vista para a praça da Bandeira, viaduto Santa Ifigênia e edifício Mirante do Vale (maior prédio já construído no país, com 170 metros de altura). Dentre as mais célebres manifestações ocorridas no Vale do Anhangabaú está o comício pelas Diretas Já, organizado no dia 16 de abril de 1984, onde foram recebidas 1,5 milhão de pessoas;
  • Viaduto do Chá, primeiro viaduto construído na cidade (inicialmente era uma construção de metal alemão com assoalho de madeira);
  • Praça Ramos de Azevedo, com o Teatro Municipal e o Monumento a Carlos de Campos;
  • Edifício Matarazzo (ou Palácio do Anhangabaú), sede da prefeitura da cidade de São Paulo desde 2004, pertencia anteriormente ao Banespa, daí seu apelido de Banespinha;
  • Shopping Light, inaugurado em 1929, era a sede da empresa de Energia Light, sendo transformado em Shopping Center em 1999;
  • Antigo prédio do Mappin, foi uma grande loja de departamentos cujo prédio tem arquitetura em art déco e relógio tradicional;
  • Largo do Paissandu e Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, que chama atenção pela cor amarela de sua fachada;
  • Esquina das ruas Ipiranga e São João, imortalizada na música “Sampa”, de Caetano Veloso http://letras.mus.br/caetano-veloso/41670/;
  • Praça da República, com seus jardins, fontes e esculturas, também é o endereço do prédio histórico da Secretaria da Agricultura e da feirinha de artesanato, que iniciou-se com a venda de selos;
  • Cine Marabá, cinema histórico de 1944 ainda em funcionamento;
  • Edifício Eiffel (1956) e Copan (1951), projetados por Oscar Niemeyer;
  • Edifício Itália (cujo nome oficial é Circolo Italiano), segundo maior prédio do Brasil, com 165 metros, possui um restaurante em seu topo, conhecido como Terraço Itália, que permite uma vista em 360 graus da cidade;
  • Edifício São Luiz, projetado no estilo neoclássico francês;
  • Avenidas 9 de julho e 23 de maio, importantes vias de São Paulo.

linha_4112

O passeio dura pouco mais de uma hora. Segue o trajeto:

Av. Lacerda Franco (Cemitério da Vila Mariana), Av. Lins de Vasconcelos, R. Antônio Tavares, R. Augusto de Toledo, R. Almeida Torres, R. Espírito Santo, R. Bueno de Andrade, R. da Glória, R. Conselheiro Furtado, Pça. Dr. João Mendes, R. Anita Garibaldi, Pça. Clóvis Bevilácqua, R. Roberto Simonsen, R. Venceslau Brás, Pça. da Sé, Pateo do Collegio, Vd. Boa Vista, R. Boa Vista, Lgo. São Bento, R. Líbero Badaró, Vd. do Chá, Pça. Ramos de Azevedo, R. Cons. Crispiniano, Lgo. do Paissandu, Av. São João, Av. Ipiranga, Pça. da República, Av. São Luís, Vd. Nove de Julho, Vd. Jacareí, R. Dona Maria Paula, Vd. Dona Paulina, Pça. Dr. João Mendes, R. Conselheiro Furtado, R. Pires da Mota, R. Bueno de Andrade, R. Espírito Santo, R. Almeida Torres, R. Augusto de Toledo, R. Antônio Tavares, Av. Lacerda Franco.

Veja mais informações e horários de partida no site da SPTrans .

Dicas

Outros passeios de ônibus podem ser vistos no Blog Tour da SPTrans (o blog está desativado, mas o link leva para o Archive of Web com a última atualização salva do site). Para conhecer mais dos ônibus, bondes e trólebus que circularam em São Paulo, você pode visitar o Museu dos Transportes Públicos, que conta com exemplares inteiros conservados e que permitem ser visitados por dentro.

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.

2 Pingbacks/Trackbacks