Novo terminal 3 de Guarulhos – testes

Nos meses de abril e maio de 2014, foram realizados testes utilizando passageiros “figurantes” no terminal 3 do aeroporto de Cumbica (Guarulhos, Grande São Paulo). Inédita no Brasil, a simulação de um terminal de passageiros pretende reproduzir situações reais de funcionamento, com a intenção de detectar falhas e evitar problemas na abertura de verdade.

Obras do terminal 3 de GRU, vistas do edifício garagem (foto: ViniRoger)

Obras do terminal 3 de GRU, vistas do edifício garagem (foto: ViniRoger)

O recrutamento de passageiros e organização foram realizados pela agência Playcorp. Instituições de ensino, igrejas e que compõem plateias de programas de auditório formaram os grupos de voluntários para os testes, que foram levados de ônibus para o aeroporto de Guarulhos na data e hora marcados. O ponto de encontro foi ao lado de uma estação de tratamento de esgoto, no acesso à Base Aérea de São Paulo. Posteriormente, foram levados para o edifício garagem, que possui 8 andares, 2,6 mil vagas, sistema de gestão de vagas (controla e indica eletronicamente as áreas livres) e um Spotting Point (permite vista privilegiada da área de manobras do terminal 3). Lá, foram encaminhados para o sexto andar, em uma área separada com paredes móveis, mesas grandes e cadeiras.

Voluntários aguardando instruções para os testes (foto: ViniRoger)

Voluntários aguardando instruções para os testes (foto: ViniRoger)

Nessa área, foram entregues os equipamentos de proteção individual (EPIs) para proteger os voluntários contra riscos capazes de ameaçar sua saúde e segurança: capacete, colete verde, protetor auricular, óculos e sapato (foi necessário o uso da chapelaria para guardar o calçado utilizado para chegar ao local). Também foi servido suco em caixa, biscoito salgado e cereal achocolatado.

Posteriormente, foram dadas as intruções de uso do EPI e de segurança, assim como das ações a serem realizadas no dia: encaminhamento para o terminal 3, realização da primeira fase de testes (chamada Primeira Onda), intervalo para “almoço”, segunda fase de testes (Segunda Onda) e encerramento.

Também distribuíram cartões para serem trocados por passagens, e alguns receberam cartões com instruções específicas simulando situações como embarque com animal de estimação, mobilidade reduzida e pedido de reabertura de mala já despachada para pegar remédios de uso contínuo. Foram separados grupos e encaminhados ao segundo andar através dos elevadores, de onde era feito o acesso ao terminal 3, em obras.

Os voluntários foram encaminhados para dferentes filas para receberem malas cheias de papel e areia dispostas em carrinho próprio. Na sequência, foram encaminhados para uma nova fila, e depois para outra fila para check-in na companhia aérea indicada no cartão. Os agentes do aeroporto realizaram os procedimentos no sistema, receberam as malas e entregaram a passagem.

Bilhetes de teste emitidos: Singapore Airlines, TAM, Air Canada e LAN.

Bilhetes de teste emitidos: Singapore Airlines, TAM, Air Canada e LAN.

Os passageiros seguiram para o saguão de embarque, passando pelo raio-x e andando bastante pelas obras de futuras lojas e esteiras rolantes. Os portões de numeração mais baixa estavam ligados aos fingers, permitindo acesso direto à aeronave, enquanto que os de maior numeração estavam no andar inferior, de onde pegariam um ônibus para serem levados aos respectivos aviões.

O voo da Singapore Airlines foi cancelado devido a não autorização do IP nos portões utilizados nos testes, já outros voos tiveram os procedimentos realizados com alguma demora ou com sucesso. Os grupos voltaram à área original para receberem o “almoço”: suco de caixinha, biscoito wafer de morango, sanduíche natual, barrinha de cereal e maçã.Depois foram separados novamente em grupos e entregues cartões que deveriam ser trocados por passagens.

Na Segunda Onda, dois grupos tiveram uma simulação de chegarem no terminal 3 para conexão no terminal 1. O grupo seguiu até lá, dando de cara com um tapume, e depois voltou ao ponto original. Foi posível apreciar uma bela vista do aeroporto. O prédio tem pé direito alto e é todo envidraçado.

Aviões da TAAG (Angola Airlines) e Boa (Boliviana de Aviacion) vistos da ligação entre os terminais 4 e 1 (foto: Gabriel Fernandes)

Aviões da TAAG (Angola Airlines) e Boa (Boliviana de Aviacion) vistos da ligação entre os terminais 4 e 1 (foto: Gabriel Fernandes)

O encerramento envolveu a devolução dos EPIs e entrega de certificados e brindes: squeeze, bolsa e boné, com propaganda da GRU AIrport. Nesse dia, estiveram presentes por volta de 600 pessoas, mas outro dia passou de mil voluntários.

Veja mais sobre uma Visita técnica ao Aeroporto de Guarulhos clicando no link e sobre os Bastidores do voo nesse outro link. Veja também sobre testes em projeto sobre conforto de cabine clicando no link.

Notícia no site da GRU Airport: Figurantes vão testar os serviços do novo terminal de Cumbica.

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.

Um Pingback/Trackback