Meteorologia forense

A Meteorologia pode ajudar a desvendar crimes, encontrar culpados e livrar inocentes? A meteorologia forense é o estudo científico aplicado ao processo de reconstruir as condições atmosféricos em um lugar e durante um período de tempo de interesse particular. Isso é possível graças a observações de superfície, imagens de radar e de satélite, relatos de testemunhas e outros dados.

A Meteorologia Forense é mais frequentemente usada em processos judiciais, incluindo disputas de seguros, casos de danos pessoais e investigações de crimes. Nos EUA, muitos meteorologistas forenses são certificados pela Sociedade meteorológica americana (AMS) através do rigoroso programa Consulting Certified Meteorologist (CCM).

lupa_meteo

A estação Meteorológica do IAG/USP, localizada no Parque Cientec (São Paulo), já recebeu consultas de advogados e seguradoras sobre eventos meteorológicos em datas e horários específicos. Em um dos casos, uma senhora acusou outra de tê-la agredido e deixado marcas de arranhões. No entanto, ao consultar a temperatura do dia, descobriu-se que estava muito frio. Assim, o mais provável é que deveriam estar usando roupas grossas de frio, impossibilitando os arranhões. Depois, a mulher confessou que ela mesma havia se mutilado.

O americano Steve Harned, que trabalhou por 36 anos no Serviço Nacional do Tempo, fundou a consultoria Atlantic States Weather Inc em 2004. A maior demanda da empresa por um tempo foi de investigações para advogados que representavam clientes da Louisiana e do Mississippi. Eles perderam suas casas com a passagem do furacão Katrina, em 2005, e processaram o governo ou as seguradoras. Harned avalia o quanto as propriedades estiveram expostas aos efeitos do furacão e depõe em tribunais. As árvores dão boas pistas sobre a intensidade do vento conforme o dano que sofrem.

Neve

Em 2002, a polícia da cidade de Troy (Estado de Nova York) encontrou o casal Arica Schneider e Samuel Holly mortos no apartamento deles. Os exames de DNA encontraram sangue de uma terceira pessoa, identificada como Michael Mosley, um traficante que negociava crack junto com Holly na região. Mosley foi acusado e julgado pelo crime em julho de 2011.

Howard Altschule, que havia trabalhado em um canal de TV em Albany e então possuía uma empresa de consultoria, foi contratado pela promotoria para investigar um dos argumentos da defesa: O acusado disse que havia se cortado praticando snowboarding antes do crime e que seu sangue manchou o local quando ele encontrou os corpos. Uma análise meteorológica descobriu que na data em que Mosley dizia ter feito snowboarding, a temperatura era de 11 °C e havia chovido a tarde toda. Portanto, não havia neve no chão.

Altschule observou que a neve pode derreter mesmo com a temperatura entre -5 °C e 0 °C, se há sol direto em um ângulo suficientemente forte, em geral entre meio-dia e uma hora antes do pôr do sol. À noite, a neve congela de novo. Para quem escorregou, se machucou e agora quer milhares de dólares em indenizações, a informação é vital. O recongelamento leva entre uma e duas horas e os donos de estabelecimentos são obrigados a manter suas calçadas limpas sob pena de serem processados em caso de acidentes — se não tiverem feito a limpeza dentro de um período razoável.

O meteorologista Paul Gross, baseado em Michigan, calcula ter atuado em mais de mil processos, mas só se sentou diante do juiz cerca de 40 vezes. Seu trabalho mais comum tem relação a escorregões por conta da neve acumulada. Em um dos casos que testemunhou, em março de 2009, uma pessoa que dizia ter se machucado após escorregar e processou o dono do local do acidente por não remover a neve no solo.

Vento

Em 1989, um carro saiu da pista em uma estrada e caiu em um lago congelado. A vítima saiu do carro e caminhou sobre o gelo, que cedeu e ela morreu congelada. A família processou o estado, alegando que as condições da estrada causaram o acidente e a defesa quis investigar se não havia neblina nesse dia. A pedido da defesa, Gross investigou e descobriu que não havia neblina na estrada: o vento, que soprava paralelamente à margem do lago, não empurraria a névoa até lá. O problema não foi a falta de visibilidade, e sim a mulher havia bebido e por isso deslizou para fora da estrada.

Em outra investigação de Altschule, uma companhia de energia encomendou um estudo dos últimos 25 anos com a intenção de provar que os desastres naturais estavam mais frequentes. Assim, pretendiam convencer o governo a permitir aumento das tarifas, já que haviam aumentado seus custos de manutenção e fornecimento. O estudo revelou que estavam certos.

Larvas e decomposição

A infestação de corpos em decomposição depende das condições atmosféricas. Primeiramente, os insetos praticamente só começam a colonizar o corpo durante o dia, assim, para uma morte que ocorreu durante a noite, o ciclo das larvas começam na manhã depois do crime. E também quanto maior a temperatura e a umidade, mais rápido o desenvolvimento das larvas.

Em 31 de julho de 1994, os restos mortais de Ciro Monge Mena (39 anos) foram encontrados em uma ravina em Zurqui (Costa Rica). Não havia nenhuma estação meteorológica próxima que pudesse determinar a temperatura do lugar. Portanto, não seria possível dizer o quão rapidamente as larvas tinham se desenvolvido no corpo do falecido. Devido a esta falta de dados meteorológicos, funcionários Instituto Meteorológico Nacional (INM) da Costa Rica fizeram outras medições de temperaturas máximas e mínimas na área para calcular quando o corpo tinham colonizado insetos e, portanto, saber uma data mais precisa sobre quando ele poderia ter morrido. A investigação forense descobriu que o crime tinha sido executado entre 27 e 29 de Julho, auxiliando na condenação dos culpados.

Em 16 de julho de 2006, o corpo de Maureen Hidalgo foi encontrado em um desfiladeiro em Alajuela (Costa Rica). Nesse caso, haviam três estações meteorológicas cujos dados foram consistentes: esta semana houve uma tempestade que impediu os insetos de colonizar o corpo até o dia 14 de julho, quando entraria um breve período seco. Os dados científicos sólidos apoiaram a hipótese da acusação, o que resultou na condenação do marido.

O corpo da peruana Paz Marilyn Bernedo (29 anos) foi encontrado em uma plantação de café em Birrisito do Paraíso, em Carthage, no dia 11 de abril de 2009. O principal suspeito era seu marido, Jonathan Araya. O corpo de Paz apareceu muito queimado de sol, que revelou que o corpo tinha passado muito tempo ao ar livre. Por isso, o Instituto Meteorológico pediu o exame da luz do sol, e os resultados deste teste confirmaram que a morte ocorreu nas primeiras horas da manhã de 10 de abril. Finalmente, o cônjuge foi condenado pelo assassinato.

Visibilidade

Maria Cristina Araya, chefe do Departamento de Informação e Marketing do IMN, lembra o caso de uma mulher em Puntarenas que supostamente testemunhou um crime. O incidente ocorreu às 4 da manhã e a suposta testemunha estava a centenas de metros da cena. O Instituto foi questionado sobre o nascer do sol e as condições de iluminação no momento do crime. Determinou-se que antes de 5 a. m. escuridão predomina, por isso só é possível distinguir silhuetas, e não características definidas.

Outra vez, pediram para os dados sobre condições de neblina perto do aeroporto de Juan Santamaria. Havia acontecido um atropelamento e o condutor afirmou que o acidente havia ocorrido por falta de visibilidade. O Instituto determinou que, na verdade, a neblina era tão espessa que mesmo naquela época o aeroporto foi fechado.

Aeronaves

A influência das condições atmosféricas em acidentes aeronáuticos é apresentada com vários exemplos nos slides da palestra sobre Meteorologia e Segurança de Voo.

Fontes

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.