Liechtenstein

O Principado de Liechtenstein (pronuncia-se “lixtenstáim”) está localizado nos Alpes (Europa), entre Áustria e Suíça, e o idioma oficial é o alemão. Por volta de 35 mil habitantes (quantidade insuficiente para lotar o novo estádio do Palmeiras) moram no principado de apenas 160 km² (área menor do que o município de Santo André, em São Paulo). Dentre os “micropaíses” europeus, só é maior que o Vaticano, Mônaco e San Marino. Tornou-se independente do Sacro Império Romano Germânico (976-1806), quando este foi desmembrado, mas desde o século XV é comandado pela Casa de Liechtenstein (família nobre europeia de origem austríaca).

Castelo de Vaduz: originalmente era uma fortaleza medieval, com o passar dos anos foi sofrendo algumas modificaçõese e algumas alas foram adicionadas, mas nunca deixou de ser a residência oficial do Princípe.

Castelo de Vaduz: originalmente era uma fortaleza medieval, com o passar dos anos foi sofrendo algumas modificações e algumas alas foram adicionadas, mas nunca deixou de ser a residência oficial do Príncipe.

A região começou a ser ocupada pelos romanos, que se estabeleceram em Vaduz (hoje a capital do país), no sopé dos Alpes. Uma estrada romana atravessa a região de sul para norte pelo desfiladeiro de Splügen até às margens do rio Reno, num terreno cujas custosas e frequentes inundações impediam a sua habitação. O medieval condado de Vaduz, formado em 1342 era uma pequena divisão do condado de Werdenberg.

Liechtenstein tornou-se um estado soberano em 1806, quando ratificou a Confederação do Reno, junto a Napoleão I, após a dissolução do Sacro Império. O condado foi ocupado pelas tropas francesas durante alguns anos, mas recupera a sua independência em 1815 com a Confederação Germânica. Em 1862 a Constituição é promulgada, com o Landtag órgão de representação das camadas populares da sociedade. Em 1868, a Confederação foi dissolvida, e o Liechtenstein abole o seu exército, declarando a sua permanente neutralidade, respeitada até durante os anos das Guerras Mundiais.

Em 1852, Liechtenstein consentiu uma união econômica com a Áustria-Hungria, que foi encerrada após a Primeira Guerra Mundial devido à devastação econômica sofrida pela Áustria. Em 1924, Liechtenstein estabeleceu uma união aduaneira e monetária com a Suíça (adotou o franco suíço como moeda nacional), servindo de centro europeu de lavagem de dinheiro dos nazistas. Até hoje é constantemente citado como um local onde a prática de lavagem de dinheiro é frequente.

Por fazer parte dos Alpes, é uma região muito montanhosa, e torna-se uma referência turística para prática de esportes na neve no inverno. Veja mais imagens no site do país e no blog Contando as Horas.

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.