Dicas de estudo de programação

Você está começando a estudar programação ou reciclando seus hábitos, buscando boas práticas de programação? Seguem algumas dicas para o aprendizado de como instruir o computador a fazer o que você quer que ele faça – dicas de estudo mais genéricas podem ser vistas clicando no link:

– Primeiro, saiba exatamente o que você quer que o script faça antes de começar a escrever as linhas de código;

Emule mentalmente (ou através de diagramas em papel) o script que foi escrito antes de executá-lo;

– “Dê as caras” e escreva, teste, quebre a cabeça, mesmo que no início leve muito tempo e seja uma tarefa bastante solitária. Vai ter muita tentativa e erro antes de acertar o script final;

– Faça pequenas partes do código de cada vez, sempre testando após finalizar sua escrita. Comece com o principal que o programa deve fazer. Por exemplo, se o programa tiver um loop a ser executado, primeiro crie a rotina do que deve ser executado para um elemento e, depois de pronta e funcionando, inclua essa rotina dentro de um laço;

– Faça backups antes de realizar testes. Caso vá realizar mudanças mais bruscas (principalmente se o original já está funcionando), copie o arquivo de script (ou mesmo a pasta inteira) para “script_bkp” ou “script_v1.0”;

Imprima variáveis trabalhadas para acompanhamento e crie arquivos de log para guardar os resultados – inclua comandos de parar a execução do script logo após o ponto que você está trabalhando, se necessário. Acompanhe também os arquivos de log do sistema (geralmente em “/var/log/”) para entender o funcionamento de ações executadas;

– Crie comentários nos códigos para explicar o que faz cada parte e crie uma documentação explicando para que serve cada função e script desenvolvido e como eles interagem entre si;

– Faça a identação corretamente, para visualizar melhor a hierarquia de ações – mas evite o excesso;

– Evite linhas muito longas (80 a 100 caracteres no máximo). Se necessário, quebre a ação em mais variáveis intermediárias, deixando o código mais limpo e mais fácil de testar;

– Um código limpo deve ser feio, forte e formal: simples, direto, eficiente, sem duplicidade (não faz o que outra parte do código já faz) e organizado;

– Nomeie as variáveis de modo que ela explicitamente indique do que se trata – “var” e “temp” devem ser evitados e utilize letras somente quando for um contador;

– Siga um padrão de codificação e de escrita nos códigos;

– Caso uma ação deva ser repetida várias vezes, utilize um laço ou função geral o suficiente para ser utilizada várias vezes. O mesmo vale para o caso de resolver um problema que não tem a ver diretamente com o código em questão (por exemplo, um script de gravar informações em um banco de dados tem uma parte em que o formato de data deve ser convertido e não tem um comando próprio para isso, devendo-se construir uma função à parte de umas 5 a 10 linhas que faça isso);

Documente o que foi realizado, para não esquecer e também para servir como consulta pessoal e colegas de trabalho – outras pessoas vão fazer manutenção ou mesmo alterações no código que você desenvolveu. Além disso, serve como parte do aprendizado;

– Seja organizado: crie uma pasta de trabalho para cada produto que for desenvolver, centralizando os códigos e arquivos necessários. Inclua nela uma subpasta para códigos, uma para dados de entrada, outra para dados de saída, outra para documentação e outras conforme for a necessidade. A organização é importante para você e outras pessoas entenderem o que está lá (mesmo depois de anos sem mexer nos scripts) e também para fazer backups;

tirinha1379

– Leia o manual do comando (Linux): man nome_do_comando. Algumas opções do comando podem exibir exatamente o resultado que você precisa;

– Caso utilize um programa de terceiros, veja se o mesmo possui uma lista de bugs reportados e, somente se for o caso, reporte;

– Faça anotações do que julgar importante para não esquecer e também servir como consulta no futuro (guarde essas anotações em um só lugar, acessível e de modo organizado), além de ajudar em seu aprendizado;

– Aprenda inglês (principalmente vocabulário). Geralmente os melhores fóruns e materiais estão em inglês;

– Busque por tutoriais (“how to”), que descrevem, em termos concretos e passo a passo, como atingir uma meta pré-definida;

Procure o erro apresentado pela saída do programa colocando o texto entre aspas em um site de buscas (Google, por exemplo);

– Poste dúvidas em fóruns, listas e grupos de estudo (“Stack Overflow” em inglês/português e “Viva O Linux” em português são boas dicas); leia antes as dúvidas se já não responderam algo parecido antes. Veja um pouco da etiqueta quando utilizar uma comunicação dese tipo;

– Converse com alguém mais experiente;

Ao aparecer um problema, resolvê-lo é uma nova oportunidade de aprender. Veja também o post de Como administrar o tempo para melhorar seu foco e produtividade.

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.

Um Pingback/Trackback