Caças Mirage

A Dassault Aviation é uma empresa fabricante de aviões civis e militares sediada na França. Fundada em 1936, criou a série de aviões Falcon e Mirage, dentre outras.

Em 1953, a Armée de l’Air (o Exército do Ar Francês) encomendou um estudo de um interceptador leve, com capacidade de operação todo-tempo, capaz de subir a 18.000 metros em 6 minutos e de alcançar Mach 1.3 em voo horizontal. A Dassault Aviation apresentou o projeto MD.550 Mystère-Delta, um pequeno e ágil caça, impulsionado por dois turboreatores. No entanto, possuía muitas limitações pela asa em delta não poder usar flapes e não possuir estabilizador horizontal.

Com algumas melhorias, o protótipo do caça foi renomeado Mirage I. Posteriormente, foi desenvolvido um protótipo maior para carregar mais armamento, o Mirage II, mas que nunca foi construído. Somente um protótipo 30% mais pesado que o Mirage I original e equipado com um turbojato SNECMA Atar foi construído e nomeado de Mirage III. Ele incorporou difusores de choque cônicos nas entradas de ar da turbina, acionados manualmente, se moviam para a frente, reduzindo a turbulência da entrada de ar. Este protótipo teve seu primeiro voo em 1956, atingindo a velocidade de Mach 1.8 no ano seguinte.

Assim, vieram as versões Mirage IIIA (dois metros maior), B (de treinamento), C (versão de série do interceptador), E (versão de ataque), D (versão de treinamento para exportação) e R (versão de reconhecimento). Depois, vieram também o Mirage IV, 5 e 50.

O Dassault Mirage F1 foi projetado e construído como sucessor do caça Mirage III, diferindo visualmente pelo formato de sua asa em seta ao invés de uma asa em delta. Depois vieram os aviões da série G (com asa geometricamente variável), 2000 e 400 com suas variantes.

F-2000 Mirage no Museu Aeroespacial. Foto: ViniRoger

F-2000 Mirage no Museu Aeroespacial. Foto: ViniRoger

O Mirage 2000 foi desenvolvido de modo a competir com o americano F-16. Propulsionado por um motor Snecma M53-5 com 8.998 kg de empuxo, o Mirage 2000 é um interceptador capaz de ultrapassar Mach 2,0 (duas vezes a velocidade do som, ou mais de 2.400 km/h) a 16.500 metros de altitude, e tem alcance de até 3.000 km quando equipado com três tanques de combustível auxiliares nas asas. Ele também possui sonda de reabastecimento em voo, radar multifunção, mísseis ar-ar de médio e curto alcance, além de dois canhões de 30 mm. O primeiro voo do protótipo ocorreu em 1978, mas está em processo de substituição pelo Dassault Rafale, que entrou em serviço em 2006.

Caças Mirage no Brasil

Entre 1972 e 1973, a Força Aérea Brasileira recebeu 17 caças, sendo 13 do modelo Mirage IIIEBR e 4 do modelo IIIDBR, ganhando a denominação de F-103. Pertenciam ao 1o. Grupo de Defesa Aérea (GDA), localizados na Base Aérea de Anápolis/GO. Foram submetidos ao primeiro programa de modernização no final da década de 80 e novamente em 1997. Permaneceram em operação até Dezembro de 2005, quando já contavam com mais de 67.000 horas de voo, sendo estes substituídos pelos caças Mirage 2000.

No fim da década de 90, a FAB criou o projeto FX para substituir os Mirage III. A Embraer apoiou o Mirage 2000-5 (caça multimissão com radar RDY – Radar Doppler Multitarget), projetando em conjunto com a Dassault Aviation uma versão que atendesse aos requisitos da Força Aérea Brasileira, batizada de Mirage 2000Br.

Devido à demora da decisão na concorrência da Índia, a Dassault anunciou o fechamento da linha de produção do Mirage 2000. O governo decidiu comprar 12 caças Mirage 2000 B/C usados da França, a fim de solucionar provisoriamente a defasagem aérea brasileira. Todas as aeronaves passaram por revisão antes da entrega, ocorrida entre 2005 e 2008. O contrato de manutenção encerrou em dezembro de 2013, quando as aeronaves foram aposentadas. A partir de 2018, chega o substituto: o sueco Gripen. Foi escolhido como o novo caça do Brasil, em detrimento do F-18, da norte-americana Boeing, e do Rafale, da francesa Dassault, devido à transferência de tecnologia: 70% da aeronave terá fabricação nacional.

Dassault Mirage III EBR (F-103D) FAB 4908 no Museu "Asas de um Sonho" (ou Museu da TAM). O piloto Ayrton Senna voou nesta aeronave no dia 21 de março de 1989. Foto: ViniRoger

Dassault Mirage III EBR (F-103D) FAB 4908 no Museu “Asas de um Sonho” (ou Museu da TAM). O piloto Ayrton Senna voou nesta aeronave no dia 21 de março de 1989. Foto: ViniRoger

Existem alguns caças Mirage III expostos em praças públicas e áreas militares:

Em 2016, os Mirage 2000 foram colocados à venda, podendo ser comprado por qualquer pessoa (física ou jurídica), desde que os sistemas de combate sejam desativados. Ainda é possível vê-los através do Google Maps na Base Aérea de Anápolis/GO.

Curiosidade: em 2012, um Mirage F 2000 excedeu a velocidade adequada para o tipo de apresentação ocorrida na Praça dos Três Poderes e alcançou 1.100km/h, considerada quase suficiente para romper a barreira do som. Isso causou danos a estruturas de prédios particulares e públicos, como o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal (veja mais na matéria do Correio Braziliense).

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.