As moedas gigantes de Yap e o Bitcoin

Yap é um arquipélago formado por quatro grandes ilhas e também é um dos quatro estados que fazem parte dos Estados Federados da Micronésia (veja seu mapa e localização no Google Maps disponível no link). Seus nativos usavam um curioso sistema financeiro próprio no qual as moedas eram na verdade roscas feitas de pedras com diferentes tamanhos. O calcário utilizado para confecção das moedas era retirado de ilhas a 400 milhas de distância (atualmente região de Palau) e transportado de barco até Yap.

Conhecidas como “Rai”, as pedras tradicionalmente tinham a forma de uma baleia (até porque Rai significa baleia no idioma local), mas a muitos séculos elas deixaram de ter essa forma e assumiram formato circular com um furo no centro nas pedras maiores. Desse modo, facilitava-se o seu transporte, feito através de um tronco passado por esse furo.

Uma grande rai stone in the village of Gachpar (2002). Foto: Eric Guinther on Wikipedia

Uma grande rai stone in the village of Gachpar (2002). Foto: Eric Guinther on Wikipedia

Existiam também roscas pequenas, com cerca de dez centímetros, que eram utilizadas no comércio do dia a dia. Já as pedras maiores, que chegam a pesar cinco toneladas e medir quatro metros de diâmetro, eram reservadas para pagamentos maiores, como a compra de um terreno ou o dote de um casamento.

Quando uma negociação comercial era realizada envolvendo essas grandes moedas, as duas partes envolvidas declaravam, em voz alta e publicamente, que esta moeda em especial agora era propriedade do fulano de tal, e a deixavam exatamente onde ela estava. Não eram necessárias marcações na moeda: a comunidade acreditava na palavra de ambas as partes e a posse era de conhecimento de todos, passadas oralmente.

Em uma ocasião, uma dessas moedas gigantes afundou no mar durante o transporte. Na economia que conhecemos, isso seria o fim trágico do conto de uma heróica (e homérica) avareza. No entanto, após os homens da expedição descreverem as proporções da moeda e sua localização genérica ao povoado, considerou-se que não havia razão para não continuar a usá-la, já que ela foi “perdida” apenas no sentido material e não no sentido fiscal.

Livro-registro

As moedas de pedra também existiam em uma espécie livro-registro comunitário. Nele, eram registradas todas as transações realizadas por elas, da mesma forma que a cadeia de blocos registra todas as operações envolvendo os bitcoins. Em ambos os casos, qualquer um pode verificar as transações transparentemente publicadas e constatar sua autenticidade.

No caso dos bitcoins, nós não simplesmente “confiamos”: o livro é produzido, atualizado e completamente criptografado pelo software e protocolo que tornam isso possível. A mesma cadeia de blocos que acompanha este livro-registro é protegido contra alteração, mas é visível a qualquer um que quiser saber quais moedas mudaram para onde. O que Yap impõe com a cultura, os bitcoins impõe por criptografia.

Controle sobre o dinheiro

Na virada do século XIX para o XX, a Alemanha tentou realizar a colonização da ilha, que enviou uma mensagem a todos os líderes da aldeia dizendo que era preciso implementar estradas mais modernas e amplas. No entanto, nada aconteceu. Então, alguns funcionários começaram a pintar consideráveis “X” negros nas maiores Moedas de Pedra e então, proclamaram, para todos ouvirem, que estas pedras estavam agora confiscadas pelo governo alemão. Estradas duráveis e modernas apareceram em muito pouco tempo. Após a conclusão, os oficiais alemães usaram solventes para limpar as marcas das pedras de modo a “reembolsar” as multas aplicadas.

O povo de Yap erroneamente acreditou que seus “mestres” europeus armados de tinta tinham o poder real sobre eles. Esqueceram-se de que eles próprios, o povo, tinha poder sobre o dinheiro. Na História, um pequeno grupo em cada povo elegeu um padrão para servir como referência à abstração do dinheiro. Na época do surgimento dos estados nacionais, esse padrão era o ouro. Depois da Segunda Guerra Mundial, esse padrão mudou para o dólar – o que vigora atualmente inclusive em Yap. As reservas dos países são em dólares.

Já o Bitcoin, esse não tem um padrão controlado por um pequeno grupo: é um empreendimento que depende da coletividade para funcionar, conforme o coletivo passa a utilizá-lo.

O texto que serviu de fonte e inspiração para escrever o atual texto está no site Papo Bitcoin. Veja mais sobre Bitcoins clicando no link.

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.

Um Pingback/Trackback

  • Bitcoin | Monolito Nimbus
  • […] com uma discussão sobre o conceito abstrato de dinheiro, é recomendada a ...
    11/10/2016 11:24