Amor e fé racionais

Muitas notícias de telejornais valorizam a emoção das pessoas em vez do fato em si, com suas causas e consequências. Por exemplo, ao anunciar uma enchente, a maior parte do tempo é mostrando as sensações das pessoas ao verem tudo destruído, em vez de falar das causas e como essa desgraça poderia ser evitada no futuro.

Esse desvio de foco pode muitas vezes ser utilizado para mudar a atenção das pessoas para os reais problemas. Uma análise com um mínimo de profundidade poderia levar a uma comoção popular contra os governos para execução de ações por parte dos mesmos em usar sabiamente o dinheiro dos impostos para tentar controlar as forças da natureza – por exemplo, com tecnologias desenvolvidas desde o início da humanidade.

coracao-cerebro

Isso é somente um exemplo de como, muitas vezes, as pessoas colocam os sentimentos antes da inteligência. “As pessoas estão mais preocupadas com o que sentem do que com entender o que se passa com elas e no mundo ao seu redor”, conforme afirma o Bispo Renato (IURD) em seu blog, e por isso erram, brigam e se deprimem. Note que empresas de sucesso não usam de emoção para resolver problemas, e sim da razão.

As pessoas que vivem pelos sentimentos reagem sem pensar. Raramente se questionam buscando realmente entender o que está acontecendo e qual a melhor maneira de agir. Isso pode acontecer porque, por exemplo, quando alguém fala algo que você não gosta, é mais fácil atacar a pessoa, xingá-la e denegrir seu caráter; é mais difícil engolir o orgulho e refletir em cima das palavras da outra pessoa, buscando outro ponto de vista e crescer. Também é mais fácil, durante uma discussão no casamento, jogar a culpa na esposa e sair para o bar em vez de dialogar e tentar descobrir as causas do problema, para assim tratá-lo.

Nas relações humanas, por exemplo, conversas em tom acusatório fazem a pessoa agir com a emoção, ou seja, reagem como um animal faria em uma situação de ameça: fugindo ou brigando. Nesse momentos em que o emocional tenta vencer a razão, deve-se descarregar a emoção em alguma coisa, da mesma forma que um para-raios descarrega a energia elétrica de modo a não causar danos. Em uma relação, seja ela profissional, matrimonial ou entre amigos, você deve buscar se fazer a pessoa certa para esse relacionamento, então não espere esse tipo de atitude partir do outro.

"O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?"
Jeremias 17:9

O amor pode ser dividido em três “tipos”:

  • Amor físico – corpo só obedece (carnal)
  • Amor emocional – constrói bons momentos, mas não é duradouro
  • Amor racional – utiliza princípios que guia as ações

A fraqueza do amor está nos sentimentos. Viver de emoção nos torna vulneráveis, fracos e ansiosos, já que as emoções oscilam e não tem senso de limite. Assim, não é inteligente se guiar pelas emoções. Isso é o contrário de muitos ditados, como “siga o seu coração”. Não podemos permitir que nossos sentimentos bloqueiem a nossa fé, inteligência e razão.

Fé racional

A Bíblia descreve a fé verdadeira como “a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos” (Hebreus 11:1). Assim, alguém com fé real está longe de ser ingênuo, pois baseia suas crenças em uma análise de todas as informações disponíveis. Deus nos instrui as pessoas para que “examinem os espíritos para ver se eles procedem de Deus” (1 João 4:1).

É preciso meditar e raciocinar no que está sendo ensinado. Se o Espírito Santo confirma em seu espírito, então siga em frente, pois Deus é contigo! Porém, se há confirmação mas há alguma dúvida ou a Palavra de Deus diz algo diferente, então não acredite nessa mensagem.

Veja a promessa feita por Deus aos que buscam conhecimento:

"Meu filho, se você aceitar as minhas palavras e guardar no coração os meus mandamentos;
se der ouvidos à sabedoria e inclinar o coração para o discernimento;
se clamar por entendimento e por discernimento gritar bem alto,
se procurar a sabedoria como se procura a prata e buscá-la como quem busca um tesouro escondido,
então você entenderá o que é temer ao Senhor e achará o conhecimento de Deus.
Pois o Senhor é quem dá sabedoria; de sua boca procedem o conhecimento e o discernimento.
Ele reserva a sensatez para o justo; como um escudo protege quem anda com integridade,
pois guarda a vereda do justo e protege o caminho de seus fiéis.
Então você entenderá o que é justo, direito e certo, e aprenderá os caminhos do bem.
Pois a sabedoria entrará em seu coração, e o conhecimento será agradável à sua alma.
O bom senso o guardará, e o discernimento o protegerá.
A sabedoria o livrará do caminho dos maus, dos homens de palavras perversas"
Provérbios 2:1-12

A fé emotiva, além de cegar o entendimento, oprime o cristão inconscientemente, através do fanatismo religioso. Os emotivos olham somente para o presente, enquanto o sábio usa a fé com inteligência, porque projeta a sua vida para o futuro. A fé inteligente (ou racional) se distingue da emotiva porque vem do Espírito de Deus, sendo consciente e equilibrada na sua práticas.

O pecado acontece assim: a pessoa vê algo e o coração sente. Este cobiça e impõe seu consumo sem questionar se serve ou não. Os que desejam nascer do Espírito Santo têm de pagar o preço, renunciar ao pecado e se esforçar para não cair em tentação:

"Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa e pelo evangelho, a salvará. Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?"
Marcos 8:34-36

A fé racional (ou consciente) traz à existência coisas que não existem (Romanos 4:17), faz nascer em nós o sonho realizável (Filipenses 2:13) e torna possível o impossível (Marcos 9:23), tratando da obediência e da prática da Palavra de Deus. Entretanto, essa prática exige sacrifício, a renúncia dos impulsos do coração (Lucas 9:23).

Os 10 passos para resolver problemas

Veja um exemplo de como aplicar a racionalidade em sua vida. Essa lista foi publicada no livro Casamento Blindado, e serve para resolver problemas na empresa, no casamento, etc.

  1. Reunir-se e iniciar comunicação imediatamente
  2. Ouvir
  3. Perguntar
  4. Focar nos fatos
  5. Explorar ideias
  6. Propor uma solução
  7. Concordar com um plano de ação
  8. Definir quem fará o quê, e fazer
  9. Ver se está funcionando
  10. Sim? Continuar. Não? Repetir o processo.

Música

A música ativa nossas emoções, o que pode ser útil ao realizar atividades repetitivas que não exijam muito do cérebro – como fazer exercícios físicos ou tentar relaxar. No entanto, quem controla a pessoa nesse momento são os sentimentos gerados pelas músicas que ouve e as rotinas que vive. Não há tempo nem silêncio para parar e concentrar, organizar os pensamentos, pensar, estimular a mente, questionar, criar, planejar, fazer uma autoavaliação de como tem desempenhado em todas as áreas de sua vida, entre outras coisas que poderiam ser feitas.

Fontes

Compartilhe o link desse texto, mas se for copiar algum trecho, cite a fonte. Valorize nosso trabalho.
Mais informações na licença de uso do site.

2 Pingbacks/Trackbacks